10
out

Projeto verão e o universo low carb

farinhas-alternativas

Nós da Talk resolvemos adotar hábitos mais saudáveis e emagrecer juntos. Como passamos a maior parte do nosso dia no escritório e, com muita frequência, compartilhávamos bolachinhas, chocolates, pães de queijo, coxinhas da Dois Corações e até Mcflurry ao longo do expediente, precisávamos de uma atitude coletiva em prol da nossa saúde. Começamos por excluir as guloseimas do cardápio e comprar uma fruteira coletiva para a Talk.

O segundo passo foi chamar a minha irmã Andréia, que é nutricionista e coach de emagrecimento. Criamos um grupo, planejamos e traçamos metas. Nos reunimos com ela uma vez por semana. Nesses encontros aprendemos cada vez mais, educamos nosso cérebro e dividimos nossas conquistas. Está dando muito certo. Eu, Marisa e Wellington, juntos, já perdemos 16,5 kg. O Rodrigo e o Eduardo são magros, mas agora também estão mais saudáveis.

Passamos a frequentar lojas de produtos naturais e a incluir no cardápio sementes, chás e farinhas que sequer conhecíamos. Aliás, estou espantada com o universo de farinhas com baixo carboidrato (as chamadas low carb) disponível no mercado. Aprendi que tudo pode virar farinha. Estou me divertindo na cozinha experimentando receitas que levam farinha de amêndoas, de linhaça, de aveia, de coco e até de uva. Aprendi a fazer pão caseiro e descobri que pode ser bem gostoso, mesmo não parecendo, nem de longe, com o pão tradicional de farinha de trigo. Estou aprendendo a gostar de novos sabores e, sem sofrimento, estou desapegando do pão francês e de outras gordices que eu considerava imprescindíveis.

Ando mais disposta, mais feliz e cada vez mais determinada e próxima do meu objetivo. Mas o mais legal é que percebo que estamos contagiando as pessoas a nossa volta. Lá em casa todos estão comendo mais saladas, frutas e arroz integral.

Também estou orgulhosa do time Talk que, mais uma vez, comprova que juntos somos mais fortes! Projeto verão, vamos que vamos!

Bjs,

Aline Cambuy

29
set

Geminiano

depositphotos_15717291-stock-illustration-gemini-symbol

Minha esposa é canceriana e engenheira. Eu sou jornalista e geminiano. Isso não quer dizer nada. Ou pode dizer tudo. Completamo-nos e contribuímos para o crescimento um do outro. Mas, e há sempre um mas, em alguns momentos ela deve me olhar durante a noite e se perguntar: o que passa nessa cabecinha?

Calma. Vou explicar. Antes quero falar sobre o meu signo para buscar a absolvição dos meus atos.

Quem conhece um pouco de astrologia deve saber o perfil básico de um geminiano. Para quem não sabe aqui vai o resumo de um ser nascido entre 21 de maio e 21 de junho.

Se tem algo que o signo de gêmeos presenteia os seus nativos é a característica de mutação. É como se diariamente resolvessem mudar as regras e os costumes. Hoje acordei e resolvi que vou mudar minhas vestimentas. Acho que hoje irei experimentar um penteado, um corte de cabelo novo. Mesmo que tenha cortado apenas dois dedos de ponta seca e ferrada. Mas você mudou. Você mudou sua dieta, você mudou o seu comportamento na escola, no trabalho, no seu prédio. Mesmo que tenha durado só três dias.

Ok. Agora podemos prosseguir sem que as minhas atitudes sejam avaliadas precipitadamente.

Outro dia a minha esposa quis comprar chuchu e esse ser disse que odiava chuchu. Ontem, depois de experimentar um mix de legumes na manteiga simplesmente maravilhoso, quem decidiu que queria comprar chuchu no final de semana? Euzinho.

Outra vez eu comentei que gostava de um estilo mais clean e moderno para o quarto. E ela ama algo mais romântico e florido.  Eis que passo em frente a uma loja e comento que a montagem da vitrine me agradou. Tomei uma fuzilada como poucas.

Mas quero dizer que há duas explicações e uma boa notícia.

A primeira explicação é óbvia. A culpa é do signo. A segunda é que tudo depende do contexto e da situação. Um geminiano leva em conta muitos outros fatores e não apenas um isolado para amar ou deixar de gostar de algo.

A boa notícia é que é possível tornar essas mutações menos frequentes e rompantes. Encontre alguém que, lógico, você ama e ame você, e que possa trazer esse equilíbrio. Ah, e seja capaz de ter paciência para que o cérebro seja parcialmente reprogramado. Sim, apenas parcialmente.

Um geminiano será sempre um geminiano. Mesmo que em part-time. E não considero isso um defeito. Se bem usado, será uma baita qualidade. A mutação significa ter a capacidade de se adaptar nas situações mais complicadas ou quando pressionados em qualquer momento da vida. Somos assim. E somos felizes. Ou tristes. Quem sabe alegres. Cinzas. Ou coloridos. Somos tudo. Ou nada.

Somos muitos em um só. =)

(Uma carta de muito obrigado para a Tutti) <3

22
set

Sentar e conversar

conversarEssa semana eu estava indo para a casa, seguindo meu caminho maroto de sempre, quando recebi a ligação de uma amiga. Ela precisava conversar. Assim, sem planejamento, sem hora marcada, sem cerimônia ou preocupação com o que tinha na geladeira para oferecer para a visita. E assim ela foi lá em casa.

Ficamos sentados na varanda, bebericando e conversando. Falamos da vida, do que tem acontecido, das nossas conquistas, das nossas frustrações, tudo embasado por uma psicologia de araque, mas que funciona muito bem.

Fiquei pensando em como o nosso dia a dia nos engole e nos deixa cansados demais para fazer essas coisas que alimentam nosso coraçãozinho atribulado. Quantas pessoas a gente deixa de ver porque se preocupa demais com o tempo. Quanto tempo perdemos por achar que não há tempo para trivialidades? Ás vezes por causa de uma simples visita você reavalia todo seu modo de viver. Que coisa boa.

Beijos

Rodrigo

18
set

Fim de namoro

uber

Durou pouco. Foto: Divulgação.

Que namoro bem curto esse da Uber com os usuários, hein? Alguém guardou os bilhetinhos apaixonados, as rosas entre folhas de um livro, o papel do Sonho de Valsa? Nem deu tempo de a gente se sentir amada e paparicada. As balas, copos de água e revistas desapareceram dos carros com a velocidade de um namorico que se desfaz. A boa educação, então, nem se fala…

Não era amor verdadeiro, creio eu. Desses de palpitar o coração na garganta e correr um arrepio pelas costas. Ok, nem era pra ser assim, tão intenso e adolescente. Mas parecia que ia durar mais do que um carnaval, né não?

E agora cá estamos. Sem nenhuma garantia de que o carro que vai chegar será pelo menos limpinho e cheiroso. Ou inodoro, já tava bom. Outro dia, Rodrigo (de Lorenzi, meu estimado colega de Talk) e eu embarcamos em um que parecia ter transportado três cachorros molhados dentro de uma caixa de gorgonzola.

Nem vamos falar de motoristas inconvenientes e, pior ainda, abusadores. Esses são raridade, ainda bem.

Não usei ainda a Cabify e o 99 Pop. E faz tempo que não ando de táxi. Por isso, e contra as boas regras do jornalismo, que mandam ouvir todo mundo antes de sair atirando, posso estar sendo injusta. Talvez não seja a Uber monopolista do mau serviço. Pode ser que estejam todos – aplicativos e táxis – em igual situação de desprezo ao cliente. Ou eu dei um bruta azar nas últimas dez viagens.

Ainda bem que ajeitei minha vida para morar e trabalhar a uma distância que pode ser cumprida a pé. E só preciso do transporte de vez em quando. Mas estou disponível para apoiar algum protesto de usuários hard. Só chamar, galera!

Beijos

4
set

A estação das flores

ipe

Até que enfim o mês de agosto terminou. Vai ano, vem ano, e agosto parece sempre interminável. Um texto da Superinteressante conta que herdamos a tradição dos nossos colonizadores portugueses. No século 16, época das grandes navegações, era nesse mês que as caravelas iam ao mar. Assim, as namoradas dos navegadores nunca casavam em agosto já que, além de não poder desfrutar da lua-de-mel, poderiam passar rapidamente da condição de recém-casadas para a de viúvas. Segundo o escritor Mário Souto Maior, a tradição se consagrou com a frase “casar em agosto traz desgosto”, que foi resumida para nossa conhecida “agosto, mês do desgosto”.

E foi no mês de agosto que o mundo viu o início da Primeira Guerra Mundial, a destruição de Hiroshima por uma bomba atômica, o início da construção do Muro de Berlim, o suicídio de Getulio Vargas, a renúncia de e a morte de Marilyn Monroe.

Os romanos, no século 1, acreditavam que um dragão passeava pelo céu noturno em agosto (mês, aliás, batizado por eles em homenagem ao imperador Augusto). O monstro nada mais era do que a constelação de Leão, mais visível nessa época do ano.

Outra interpretação é que durante o mês de agosto a concentração de cadelas no cio aumenta bastante devido às condições climáticas. E quando as cadelas estão no período fértil, os cachorros ficam “loucos” e brigam para conquistar a fêmea.

Mas o que importa mesmo é que mais um mês de agosto chegou ao fim e que o inverno está de saída. Seja bem-vindo setembro! E que venha logo a primavera, a estação mais florida e colorida do ano.

Beijos,

Aline Cambuy

29
ago

Gratidão

power-of-gratitude-

Observando as pessoas em restaurantes, nas estações tubos, durante os trajetos de ônibus, conversas no Uber e Cabify, roda de conhecidos e amigos, família e a mim cheguei a conclusão da dificuldade que temos para exercitar a gratidão.

Ser grato não significa aceitar tudo da maneira como é posto. Gratidão é saber olhar para o que temos e ao nosso redor. Ser grato é saber valorizar e enxergar a realidade do próximo. Gratidão não significa abdicar da ambição. Ambas podem – e devem – caminhar juntas.

É possível sermos gratos pela nossa profissão, por termos um teto, condições de nos alimentarmos, um armário com roupas que às vezes ficamos mais de um ano sem usar, por termos acesso a saúde, um transporte público que funcione ou condições de usar uma alternativa como Uber e Cabify. Enfim, valorizarmos o fato de integrarmos o seleto grupo de 1% da população mais rica do planeta. Acredite, se você está lendo esse texto, você faz parte desse grupo. Às vezes vivemos com muito mais do que precisamos e desejamos muito mais do que merecemos.

E é aí que entra a ambição. Mas aquela positiva…

Uma das coisas que move o ser humano é a ambição. Mas ela pode ser a vontade de ser alguém melhor, de ajudar a mudar o mundo a nossa volta, de contribuir para tornar a vida de quem está ao nosso lado mais digna, de sermos capazes de valorizarmos mais as nossas conquistas e as vitórias de cada um, de superarmos os nossos desafios.

A ideia aqui não é repetir um livro de autoajuda ou parecer hipócrita. Espero que não seja levada para esse lado. A minha reflexão se aprofundou quando ouvi a seguinte frase:

“O humilde é grato por ter menos que merece e mais do que quer. O soberbo tem mais do que precisa e almeja mais do que merece”.

E fez a ficha cair com esta matéria da Revista Galileu que fala sobre consumismo. Vou separar três trechos que conectaram tudo o que venho refletindo há algum tempo.

“De acordo com o Banco Mundial, os mais ricos, 20% da população global, abocanham 76,6% dos produtos. Já a classe média, 60%, consome 20% de tudo o que é produzido. O resto fica na (ínfima) conta dos mais pobres”

“A cada ano, a humanidade precisa de 1,7 planeta para se recuperar do uso excessivo de seus recursos naturais e da poluição causada por ela mesma, como revelam os cálculos da Global Footprint Network, responsável por avaliar os impactos ambientais gerados por alguns países”

“795 milhões de pessoas no planeta que ainda passam fome não sabem o que é viver com abundância de recursos e, claro, não têm a menor chance de acumular nada, nem comida. Enquanto isso, a parcela endinheirada da população continua a reproduzir nosso instinto primitivo e consome quase todas as coisas produzidas no mundo”

O caminho para aprendermos a sermos gratos, humildes e ambiciosos na medida certa exige paciência, persistência, prática do autoconhecimento e reflexão. Tive a sorte de encontrar alguém que me ajuda muito nessa trajetória que é a minha esposa. Espero poder passar isso adiante e plantar essa semente para um futuro mais humano.

Eu já comecei a minha caminhada e você?

Beijos,

Wellington

14
ago

Eu e Rita

Rita-Lee-kkpG-U201126096225W4F-1024x768@GP-Web

Eu e Rita Lee temos um caso sério, ao som de um bolero, dose dupla. Não lembro quando Rita Lee apareceu na minha vida, mas lembro que foi minha tia quem me apresentou (sempre ela, que também me apresentou aos livros). Só sei que desde quando ouvi os versos de “Lança Perfume”, fique inebriado pelo som da Ritinha.

Fui crescendo e conhecendo mais o repertório, entendendo a importância histórica de Rita na música brasileira e todo seu pioneirismo desde a época d’Os Mutantes. Desde então eu ouço Rita Lee periodicamente, mas nestes últimos dias estou lendo sua autobiografia, que é deliciosa e um prato cheio para os fãs. Voltei a ouvir Ritinha todos os dias.

Fui em apenas dois shows da Rita aqui em Curitiba, além do musical estrelado pela Mel Lisboa, mas há uma historinha bacana sobre quando fui ao segundo show. Ela estava em turnê pelo Brasil e passaria por Curitiba em um sábado de agosto. No Twitter, o marido da Rita e companheiro musical eterno, Roberto de Carvalho, postou que estava chegando à cidade para o tal show. Eu, com zero segundas intenções (é sério!) desejei um bom show e disse que infelizmente não poderia ir. Ele me perguntou o motivo e eu respondi que a grana estava curta e que eu precisava pagar minha matrícula da faculdade (e era verdade, eu sou honesto). Foi aí que ele me mandou uma mensagem privada dizendo que deixaria um ingresso para mim na bilheteria do Teatro Guaíra. Oi?

Primeiro eu ri, depois me senti trouxa, depois me deu raiva. Obviamente eu estava sendo enganado por um fake mal-amado e sem ocupação a não ser enganar pobres fãs na Internet. De qualquer forma, resolvi ligar na bilheteria só para dormir tranquilo. Imaginem a minha surpresa quando o atendente disse que, sim, havia um convite VIP em meu nome na bilheteria. Roberto de Carvalho é um cara muito gente fina!

Pois bem, o ingresso era válido mesmo, fui ao show, cantei todas, gritei que ela era maravilhosa, ela respondeu “euzinha?”, me diverti como somente um show de Rita Lee é capaz de fazer. Fica aqui minha declaração de amor à rainha do rock brasileiro e do meu coração, que continua cheia de graça e fazendo muita gente feliz. Vida longa!

Beijos,

Rodrigo

4
ago

PSG ou Barça, tanto faz

neymar

Não entendo de futebol. Também não gosto do tema. Não acompanho os jogos e muito menos as notícias desse universo. Abro exceção apenas para a Copa do Mundo, quando todos torcemos pelo mesmo time. Mas seria impossível passar despercebida a mudança do Neymar para o PSG (Paris Saint-Germain). Deve ser a notícia mais comentada da semana.

Sinceramente, não me importo se ele sai do Barcelona para jogar no PSG. O que me assusta de verdade são as cifras bilionárias dessa transação. O PSG assumiu a multa rescisória de 222 milhões de euros (R$ 824 milhões) para o Barcelona. O número é o maior registrado na história do futebol mundial.

O salário no novo time também é astronômico, mais de R$ 100 milhões por ano. É quase como se ele ganhasse na mega sena todos os anos. Em uma das reportagens que li fizeram o seguinte cálculo: Neymar demora apenas 4 minutos e 23 segundos para ganhar R$ 937, o valor do salário mínimo brasileiro. Por dia, ele receberá R$ 308.333, o valor de um ótimo apartamento em algumas capitais brasileiras.

Tudo isso me parece um disparate imenso. Chega a ser indecente. Existe mesmo um abismo entre a realidade e uma situação como essa.

Beijos,
Aline Cambuy

24
jul

Aniversários

shutterstock_261341486

Não me lembro de comemorar os aniversários quando criança. Recordo que fui a várias festinhas. Nenhum delas era a minha. Talvez tenha tido uma quando ainda era muito pequeno. Sei que os meus pais não tinham muitas condições, mas não me lembrar delas acaba tendo reflexos.

Tenho muitas dificuldades em celebrar o meu aniversário. Fato. Não sei como agir, o que falar ou fazer. Sério. Cê não tá entendendo a gravidade da situação. Eu quase que paraliso. Viro meio que um bicho do mato como dizem no Rio Grande do Sul. Junta-se a isso o fato de morar longe da família e não curtir ficar ao telefone, e está feito o estrago. Sabe aquele que não sabe o que fazer nos parabéns? Sou eu.

Mas em 2011 a coisa começou a mudar de figura. Minha transformação – ainda lenta e em andamento – iniciou. Encontrei a metade que é exatamente o oposto. A Amanda, minha esposa. Tutti para os mais chegados. Ela é a pessoa que mais ama aniversariar. Verdade. Ela adora planejar o dia, saber aonde vai, o que fazer, esperar as pessoas ligarem e ficar horas conversando no telefone, receber os cumprimentos pessoalmente, responder a quase uma centena de felicitações nas redes sociais e ainda ter pique para bater perna no shopping para trocar o presente que o marido escolheu e não serviu.

Gente, que fôlego!

E como descrevê-la me fez parecer tão rabugento! Preciso rever isso. Parece tão bom celebrar o aniversário e receber o carinho das pessoas… Seis anos foram insuficientes para a metamorfose completa. Espero que as filhas ou filhos venham com essa carga genética da mamãe. Até lá, eu prometo aprender tudo com a mestra dos aniversários.

Beijos,

Wellington

 

14
jul

Férias

IMG_2435

Cabo da Roca, litoral de Portugal, com participação especial do Claudio.

Há quatro anos não tirava férias, dessas de viajar, passear e ao cabo de uma semana conseguir me perder no calendário. Nesse período, desde que recebi o diagnóstico de doença de Alzheimer da minha mãe, as folgas foram concentradas no verão e dedicadas a rumar para Rio Grande, lá nos confins do Rio Grande do Sul, e ficar com ela, liberando meu irmão e as cuidadoras.

Mas chega um tempo em que a doença, embora não retroceda nem nos dê esperanças, também não avança com a mesma velocidade do início. E as abóboras se acomodam na carroça. Nem todas, porque há fontes de tensão extra o tempo todo e muitas delas fogem ao controle da gente. A culpa, essa danada, também não dá muita trégua e a cabeça vive aqui, enquanto o coração bate lá pelos pampas.

Sei que minha mãe sempre vibrou com minhas conquistas. Ainda hoje, mesmo esquecendo pouco depois, tudo que contamos pra ela é recebido com alegria e generosidade. Por isso, é para minha mãe que dedico cada minuto do meu descanso e da minha felicidade. Isso também é fruto dos sacrifícios que ela fez no passado, enquanto a gente crescia e ganhava o mundo.

Beijo, mãe!