Arquivos da categoria: Comportamento

19
mai

De três em três horas

Há alguns dias fui a uma consulta com a nutricionista. Como faço exercícios físicos, gostaria de saber se eu poderia tomar esses suplementos nutricionais com zilhões de proteínas, de forma saudável e controlada. A resposta foi sim, mas com uma condição: suplemento somente por uns dois meses, depois eu devo buscar os nutrientes nos alimentos de verdade. Que gostoso, pensei. Mas aí veio a dieta. É necessário comer de três em três horas.  Comer-a-cada-3-horas-funciona

Parece uma coisa fácil, mas não é. Estamos tão habituados a comer apenas quando sentimos fome que acabamos demorando umas quatro, cinco horas entre uma refeição e outra. E não pense que é para comer essas guloseimas maravilhosas, não. Bolachas? Jamais! Chocolate? Não, não! Apenas fruta? Não adianta nada! O ideal, entre uma refeição e outra, é comer algumas castanhas, nozes, frutas secas, amendoins, amêndoas, todos produtos bastante acessíveis que custam uns R$ 80 cada grama. Não está sendo fácil. E a médica ainda me mandou comer batata doce. Quem foi que teve a ideia de criar uma batata que é doce?

Embora seja uma dificuldade imensa lembrar que preciso comer de três em três horas – não vale bolachinha recheada, hein – sou um moço muito disciplinado. Compro castanhas, iogurte e biscoitos saudáveis, tudo para que minha nutricionista tenha orgulho de mim. Eu até forço na batata doce.

Mas agora já são quase 18h e eu mereço uma Negresco bem gordinha.

Rodrigo de Lorenzi

7
abr

A obesidade infantil e o papel dos pais

obesidade

Dia desses, ao ficar por umas três horas na sala de espera de um pronto atendimento infantil, me surpreendeu a grande quantidade de crianças obesas que ali estavam. Fiquei me perguntando se as famílias não percebem o problema ou se negligenciam mesmo. Um bebê de um ano gordinho é a coisa mais fofa do mundo, vamos combinar né? Mas sabemos que essa fofura toda pode se tornar bastante danosa à saúde ao longo do tempo.

Fico arrepiada quando vejo uma mãe colocar refrigerante na mamadeira do filho, ou então quando ela lhe dá “apenas” um golinho em uma festa porque a criança pediu. É claro que eles conhecerão todas as guloseimas em algum momento da vida, mas acredito que quanto mais pudermos retardar esse contato melhor.

Gostei bastante de uma campanha publicitária contra a obesidade infantil que vi nos mobiliários urbanos de Curitiba recentemente. A campanha foi feita com foto de crianças acima do peso que pediam aos pais que impusessem limites a elas. Que dissessem não, mesmo que os filhos insistissem ou chorassem.

Acho que esse é o caminho: limites. Às vezes deixarmos de dizer não para evitar constrangimentos ou chateações. Mas precisamos ter a consciência de nossos filhos precisam deles e de que esse é o nosso papel. Orientar, corrigir, amar e, acima de tudo, impor limites!

Um beijo!

Aline Cambuy

31
mar

Sobre gêneros e empoderamento

solidariedade

Hoje de manhã assisti a uma série de palestras sobre finanças (empresariais, pessoais, investimentos, cenário macroeconômico, dólar), durante um evento da Rede Mulher Empreendedora (www.facebook.com/RedeMulherEmpreendedora/). Na plateia e no púlpito, o mais legítimo exemplo do empoderamento feminino.

Achei tudo genial. Aprendi novos termos, ampliei minha cadeia de networking, ouvi histórias fantásticas, saí renovada.

Mesmo sem ser uma conhecedora do debate sobre gêneros, ficou claro para mim no evento que a questão ali era latente. E aí me lembrei do material que recebi dias atrás da minha comadre Alessandra Roseira, de Berlim: o primeiro longa-metragem intersexual do cinema. A Ale teve acesso ao link abaixo depois de entrar em contato com a diretora do filme, em 2011. Obrigada pelo envio, comadre. E que todos possam assistir e refletir.

https://vimeo.com/68928530

Beijos,

Karin Villatore

 

24
mar

Moda e blogs

iris3Eu sempre gostei muito de moda, principalmente de ler sobre, pois o consumo mesmo nunca esteve ao meu alcance.

Nos anos 80, quando não havia internet, minha família assinava e comprava muitas revistas, entre elas as clássicas Moda& Moldes e Manequim, que eu devorava página por página. Acho que foi aí que surgiu a minha adoração.

Mais velha, já com a internet, descobri os blogs de moda. No início eu era compulsiva, acessava milhares ao dia, adorava ver o que as meninas usavam e recomendavam, até gostava de ver os “looks do dia”. Mas sempre tive uma postura crítica, pois moda não é só ir ao shopping comprar, moda é comportamento, é informação, é história.

Nessa época, lá em 2009, as blogueiras viraram estrelas. Eram convidadas para a primeira fila de desfiles em Paris, participavam de coleções, tornaram-se digital influencers.

E nisso começaram as críticas, já que carregar marcas famosas e desfilar as últimas tendências não é, nem nunca foi, sinônimo de bom gosto ou de bom senso para a moda. Uma das críticas mais frequentes também refletia sobre os jornalistas e os blogueiros, que não são a mesma coisa.

Com o tempo fui perdendo o interesse, pois a falta de conteúdo me incomodava muito, além do estímulo desenfreado ao consumo e a falta de realidade. No meu mundo, e no da maioria das pessoas, não está na lista de desejos uma bolsa Chanel ou um sapato Louboutin, que segundo a maioria das blogueiras, são itens “imprescindíveis”.

Mas depois de tanta rejeição aos blogs vejo um movimento interessante que valoriza o reaproveitamento, os “armários cápsulas” (que estimula ter poucas e boas peças) e, principalmente, de consumo consciente.  Afinal, moda é muito mais do que uma roupa bonita.

Se você gosta ou quer saber mais, fiz uma lista de documentários bem legais sobre moda:

  • Advenced Style: mostra que moda não tem idade e é comportamento também.
  • Íris: sobre a linda Iris Apfel, um ícone da moda aos 94 anos.
  • The True Cost: o documentário mostra o impacto da moda em todo o planeta, seja financeiro, ambiental ou comportamental.

Todos estão na Netflix.

Um beijo,
Maria Emilia

17
mar

A obrigação de ser gentil

gentileza

Certamente estamos mais estressados. Por mais positivos, gente fina e elegantes que sejamos, nosso cotidiano nos faz exercitar a paciência em doses cavalares. Depois da invenção das redes sociais, então, todo mundo virou corajoso e muito sincero. Atrás de um avatar, é possível brigar, esbravejar, falar aos quatro ventos palavras duras que ferem quem está do outro lado. Por isso, sou da opinião que a gentileza não é uma qualidade, mas uma obrigação.

Mas não me refiro à gentileza mecânica, aquela da educação primária. Por favor, com licença, muito obrigado são palavras básicas, necessárias para que convivamos em harmonia. Tratar bem está a milhões de quilômetros de tratar com cuidado. É que somos bastante egocêntricos, sejamos honestos, e justificamos nossas patadas porque, ora, não estamos num dia bom, está chovendo, o carro quebrou e o ônibus atrasou. Passamos por cima dos outros feito carros desgovernados, e ai daquele que vier de cara feia, que pra mim é fome.

Só que por mais romântico, bobo e ingênuo que possa parecer, nós esquecemos que cada um carrega sua própria cruz. Alguns, por sorte ou obrigação, criam uma espécie de resiliência, outros quebram de forma irremediável. A grande questão é que não dá pra saber.

E aí nós caímos na bobagem de achar que adultos sabem se defender. Gentileza se torna privilégio dos mais queridos. Aqueles queridos se tornam íntimos e a intimidade, veja só, se torna motivo para agredir. Então, nos esquecemos de nos colocar no lugar do outro, de levar em consideração as dificuldades, o repertório de vida, os traumas não superados. E não é necessário ser Madre Teresa de Calcutá para perceber que cada um tem a obrigação de ser gentil.  Basta olhar por aí e notar que o mundo grita por gentileza, do menor para o maior grau.

É claro que não somos baratas tontas. Existem pessoas, dias e situações que pedem uma rispidez, um tom mais sério, até mesmo agressivo, porque gentileza não pode ser sinônimo de ingenuidade. Mas, talvez, a chave para a tão procurada harmonia ao nosso redor seja a empatia, atitudes leves e não bruscas, uma comunicação não tão na defensiva. Grosseria não pode virar hábito.

Rodrigo de Lorenzi

25
fev

Virais, likes e adoção

Gatos_Blog

Eles são fofos. Eles são virais. Eles são peludos, têm quatro patas, línguas ásperas, ronronam, são um dos maiores fenômenos da internet e um dos meus assuntos prediletos. Sim, os gatos.

Um dos maiores virais de todos os tempos, e também um dos vinte vídeos mais assistidos do YouTube, é de um gato, o Keyboard Cat (veja aqui). Uma das páginas mais curtidas do Facebook é a do Grumpy Cat (confira aqui), que se você não sabe, é uma gata. E a Choupette, você conhece? No mundo da moda ela é imbatível, é a gatinha do estilista da Chanel, Karl Lagerfeld, que assinou uma coleção recente para uma fast fashion brasileira com peças inspiradas nela.

Aí eu te pergunto: por que eles são tão legais?

Primeiro, porque é modinha. Como já diria minha colega Karin, pra ser cool você precisa gostar de bichos. Afinal, postar nas redes sociais uma imagem felina é garantia de likes, compartilhamentos e comentários, itens primordiais hoje em dia, risos. E com os hipsters os gatos vieram com tudo, em fotos que encheram as redes sociais catapultando os felinos para a categoria “megadescolado”.

Nunca tive um cachorro na vida – nem sei por que – desde criança só tive gatos. E foram muitos: Mona, Nina, Madonna, Fofo, Tuti e Ravel.

Eu acredito que eles são legais porque são independentes, têm vontades próprias, adoram comer e dormir, características que compactuo e aprovo com veemência. E são carinhosos, muito carinhosos.

Hoje sou “mãe” de três bolotas peludas (Nino, Amora e Wimi) e posso dizer que eles são um poço de carinho, muitas vezes tanto carinho que até impede meu sono.

Já tentou dormir com um gato? Ele vai querer ficar perto, bem perto. A ponto de você não se mexer apenas para a pobre criatura ter um sono relaxante. Apenas um adendo: gatos dormem de 12 a 16 horas por dia e cada vez que fecham o olho já caem em sono profundo. Ou seja, nem se incomode, você vai atrapalhar mas logo ele já cai no melhor dos sonos.

Mas a mensagem que quero deixar com esse texto é sobre a adoção. Não compre um gato, adote. Só em Curitiba (PR) são mais de 35 mil animais (cachorros e gatos) à espera de um lar. Existem várias ONGs com sites e páginas bem legais para você encontrar seu novo amigo/filho, vale a pena procurar e fazer um gatinho feliz.

E para você que já tem um gato, encerro meu texto com uma dica que vai mudar a sua vida: banheiros fechados. Procure, compre, invista, vale cada real.

Maria Emilia.

18
fev

Das mudanças que a vida traz

Mudanças

O mundo pode ser dividido em dois tipos de pessoas: aqueles que gostam de mudanças, fugir da rotina, estar sempre em movimento, e aqueles que não gostam, preferem a estabilidade, seguir uma linha e permanecer nela, sem que isso cause pesar ou fadiga. Para esses dois tipos de pessoas, a mudança vem acompanhada do medo, ainda que em níveis diferentes.
E é aí que entra a coragem.

Enquanto alguns travam, dispensam oportunidades, preferem não arriscar, outros mergulham fundo, metem a cara, vão sem olhar pra trás. Os primeiros podem viver com muito mais tranquilidade, com a (quase) certeza de que nada mudará muito significativamente. Mas esses também podem deixar o mais interessante da vida passar.
Quem pega carona nas mudanças que a vida traz acaba correndo riscos perigosos, é verdade, mas o medo não paralisa, pelo contrário, impulsiona. Quem aceita as mudanças sai da caixa, joga fora a viseira, expande seu universo, abre o peito.

Quando as mudanças não trazem lá coisas muito agradáveis, o indivíduo se arrepende. Mas é um arrependimento diferente daquele que não tentou. Quem nunca tenta acumula vontades, úlceras de projeções de uma vida que ele almejava, mas que não tentou obtê-la. O arrependimento de quem tenta e quebra a cara é brando, é compreensível, é estimulador, porque assim que uma nova oportunidade pintar, uma visão melhor do futuro vai aparecer.

Para arriscar é necessário coragem, que nada tem a ver com não avaliar os riscos e sair atirando para todos os lados. Arriscar é pensar, analisar, pesar na balança e perceber que, muitas vezes, o medo é a única coisa que nos faz ficar parados.

Rodrigo de Lorenzi

11
fev

A assombrosa Serra do Rio do Rastro

 

Serra

Mais de 250 curvas em apenas 12 km renderam à Serra do Rio do Rastro a fama de uma das mais assombrosas estradas do mundo. Desde que soube da existência desse lugar tive vontade de conhecer. No entanto, hesitei um pouco quando comecei a pesquisar sobre ela. Por isso, resolvi fazer esse post. A minha intenção é encorajar quem ainda não esteve nesse paraíso. A paisagem é de tirar o fôlego! Todo o frio na barriga é recompensado pela vista, simplesmente deslumbrante.

Fiquei hospedada em Urubici, uma pequena cidade que fica a menos de 100 km da Serra do Rio do Rastro. Urubici é onde foi registrada a menor temperatura do Brasil, – 17°C. O município tem muitas belezas naturais. São inúmeras cachoeiras, morros e grutas. Sem contar as pousadas, a maioria delas na área rural. Elas não possuem muita infraestrutura, mas para quem gosta de mato é um prato cheio.

Indo de Urubici para a Serra do Rio do Rastro, chega-se ao final da subida, em Bom Jardim da Serra, onde fica o mirante – uma das principais atrações do local. Uma vista inacreditável, linda demais. Logo na entrada do mirante uma placa me desencoraja. Nela estava escrito que aquele era o dia 227 sem mortes na estrada e que o recorde é de 445 dias. Nessa hora você respira fundo, faz uma prece e tem certeza de que irá descer com muita cautela. Não dá para ser diferente. Muitas das curvas são bem fechadas, a estrada é estreita e não há acostamento. Passam caminhões por lá e, no caminho, paramos diversas vezes para eles fazerem a curva na contramão, pois não há espaço suficiente para veículos pesados.

Tivemos a sorte de pegar um dia de céu limpo, o que nos proporcionou uma vista sensacional durante todo o trajeto. Normalmente tem bastante neblina por lá e, no inverno, pode até nevar ou ter gelo na pista. Apesar de ser um destino bastante procurado no frio, me parece mais interessante fazer essa viagem no verão. Claro que essa é a opinião de quem prefere o calor, pois no frio também deve ser um passeio magnífico.

Descemos a Serra com muita tranquilidade. Todos os motoristas dirigiam calmamente. Até porque é preciso apreciar a paisagem. No meio do caminho existem alguns pequenos mirantes, onde é possível parar para fotografar e admirar a natureza. A subida também foi tranquila. Na volta ainda paramos em um restaurante no meio da Serra para almoçar, de onde víamos as montanhas de todas as janelas.

Para quem gosta de aventura, a Serra do Rio do Rastro é uma excelente opção. Fazer o caminho de moto também deve ser maravilhoso. Fica a dica!

Bjs,
Aline Cambuy

28
jan

Histórias da Carochinha no século XXI

irmaos_GrimmSabe aquelas histórias fofas que ouvimos desde pequenos com personagens que passam pela hoje tão falada “jornada do herói” – velha conhecida dos que trabalham com o conceito de storytelling? Originalmente, elas eram muito mais sombrias do que as conhecemos hoje. Contos dos irmãos Grimm e de outros escritores famosos do gênero eram cheios de assassinatos, sangue e violência. Com o tempo eles foram adaptados para crianças, mas continuaram com uma pegada essencial: dar uma lição de moral no fim da história – com o intuito de preparar os pequenos para o mundo adulto, que, convenhamos, não é sempre cheio de alegria e feito somente de pessoas com boas intenções.

Percebi que hoje não é diferente, mudou o meio de propagação. Claro, as histórias infantis perderam a pegada violenta para proteger as crianças da maldade – mas percebo um movimento interessante nas mídias sociais: a proliferação de histórias muitos próximas aos contos de antigamente, também com o intuito de educar os jovens. Primeiro, antes mesmo da internet, vieram as lendas urbanas – quem nunca teve medo de acordar em uma banheira cheia de gelo sem um rim? Mas hoje, com tantas maneiras de comunicar e espalhar histórias e estórias (quem é dos anos 80 ou antes conhece essa palavra, que caiu em desuso), contos da vida real do século XXI pipocam no mundo virtual.

Semana passada, na farmácia, ouvi as moças do caixa conversando. Uma dizia: “Você viu? A menina saiu com um cara que conheceu na internet, foi abusada e encontrada morta”. A colega: “Eu vi! Também recebi um recado num grupo do WhatsApp que disse pra tomar cuidado com o nosso copo de bebida na balada, porque uma menina foi drogada e roubada”. E as histórias são muitas. Você mesmo já deve ter recebido alguma, principalmente se for mulher. Bem, quem sou eu para julgar? É bom estar atento, saber com quem anda e cuidar da saúde. Mas cuidado para não ficar espalhando boato por aí…

Luciana Penante

18
nov

O homeopata e a melhor tapioca do mundo

homeopataEsses dias fui ao homeopata – coisa que não fazia desde criança. Não lembrava como uma consulta podia ser tão divertida. O médico, um daqueles da velha guarda, abriu seu livrão e começou a fazer perguntas aparentemente aleatórias que no final dariam em um diagnóstico para meus males. “Você dorme com os pés cobertos ou descobertos?” Perguntou o homeopata, com aquela cara de muito interesse que eles têm. E assim a consulta transcorreu, com várias perguntas que pareciam um tanto aleatórias e outras que me fizeram pensar na vida. Sempre com um assunto recorrente: o meu interesse por gatos. Tipo: dez perguntas e, de repente: “E você gosta de gatos?”. É, eu também não entendi.

Depois de uma meia hora de perguntas – algumas bem embaraçosas – uma receita com gotinhas que devem mudar minha vida. E um aviso: “você só precisa deixar de comer duas coisas: leite e trigo”. Ou seja: basicamente tudo! Mas, de fato, manipulei as gotinhas, cortei o glúten (já não sou muito de leite – só diminui o queijo) e tenho me sentido melhor. Continuo gostando de gatos.

E a tapioca? A tapioca substitui o pão. E tenho uma dica pra quem não consegue deixar a massa de tapioca igual aquelas de feira: não precisa peneirar, é só espalhar a goma sobre a frigideira fria. Aí você modela a massa e só depois liga a boca do fogão. Depois é só esperar a tapioca esquentar pra dar liga e rechear. Meus cafés da manhã nunca foram tão gostosos!

Luciana Penante