Arquivos da categoria: Sem categoria

26
nov

O primeiro Natal do resto das nossas vidas

43b31f1e-319c-4760-acfa-2046e08ae3ef

Nosso trio inesquecível

Em 22 de novembro de 2012 criei no facebook o grupo Natal da Vó Dinah. Por vários anos, foi trocando mensagens e trolagens que a família combinou a ceia de Natal na casa da minha sogra, historicamente o endereço do encontro de várias gerações. 

Pelo apartamento da rua Luis Loréa, em Rio Grande, durante décadas passaram filhos, netos, bisnetos, sobrinhos, tios, primos, amigos e agregados de todo tipo, como eu e minha família.

Na sua formação mais completa, o grupo reuniu 27 pessoas, as mais assíduas nas noites de fim de ano em que nos reuníamos para matar a saudade, sempre com a mesa cheia e o coração feliz. Na descrição do grupo, escrevi: “Fãs incondicionais da vó Dinah, mulher, mãe, avó, bisavó, que passou a vida cuidando de todos com carinho e energia”.

Natal da Vó Dinah em 2015

Natal da Vó Dinah em 2015

Em 7 de novembro de 2017, um post com o cardápio da ceia natalina trazia 18 itens, entre comida e bebida, e rendeu 38 comentários com palpites e zoeiras entre a parentada. Depois desse ano, passamos a usar mais o grupo de whatsapp.

Ceia raiz

Ceia raiz

Mas fosse qual fosse o canal de comunicação, nessa época também começávamos a parte mais divertida do planejamento, que era sortear os nomes do amigo secreto. Nunca deu muito certo, fosse o sorteio na sacolinha ou nos aplicativos on line.

Sorteio do amigo secreto

Sorteio do amigo secreto

Sempre houve quem ganhasse dois presentes e quem só não ficasse de mãos abanando por que a gente providenciava uns pacotes coringas.

E essa confusão era sempre a parte mais engraçada. Até torcíamos pra dar errado e começar tudo de novo. 

Presente surpresa

Presente surpresa

c74b0c79-b172-4800-a0f3-c998790f2435

Todo mundo era bem-vindo (Mia)

O Natal da Vó Dinah nasceu quando nossas velhinhas começaram a mostrar que já não podiam ir até os seus. Era preciso que nós fôssemos até elas. E que houvesse pelo menos um momento no ano em que faríamos de tudo para estar juntos. 

Minha sogra era o ponto central de um trio incrível e inesquecível, formado ainda por minha cunhada Florinha e minha mãe Noeci. 

Nesses anos todos, muitos se empenharam para vê-las e abraçá-las. Driblamos agendas de trabalho, longas distâncias e compromissos de todo tipo para estar lá.

Aos poucos, como previsto e inevitável, o time foi ficando desfalcado. Florinha nos deixou em 2017 e minha mãe em 2018. No mesmo ano, perdemos também meu cunhado Renato e dona Dinah passou a viver acamada. Mas ainda nos deu a graça de tê-la em mais dois Natais. Despediu-se em junho passado, aos 91 anos.

2020, finalmente, é o ano em que o Natal da Vó Dinah passa a morar nas nossas lembranças. Quando as matriarcas se vão, as famílias se fragmentam, seguem novos rumos. Mas sempre podemos nos esforçar para manter a chama de amor que tanto nos iluminou, nesse que será o primeiro do resto dos nossos Natais!

Marisa

13
nov

Quarentena mental

andre

A pandemia parece estar “passando” em muitas partes, mas ainda é realidade na vida de muitos brasileiros. Basta ver a contagem de novos casos e mortes – aquela que já se tornou banal nos jornais diários. Ou seja, a quarentena que era para ter sido de 15 dias, um mês, 40 dias, três meses, já durou quase o ano todo e ainda continua firme e forte para todos aqueles que, como eu, estão em home office e home schooling (na pós-graduação). O que fazer para não pirar estando há quase 240 dias confinado em casa?

Essa pergunta se repete quase todos os dias, mas algumas dicas podem ajudar.

Como bem descreveu o Rodrigo na semana passada, o prazer de cozinhar é sempre uma escapatória. Eu me arrisquei a fazer bolos: dois ficaram lindos e saborosos, um deu errado. Que venha o quarto bolo… Gosto também dos momentos de parar uns minutos pra passar um café fresco e tomar degustando, olhando pro horizonte. Esses dias frios e ensolarados de Curitiba contribuem para a contemplação na varanda.

Tomar sol é bom, dar uma caminhada – o que faço pouco, reconheço.

Arrumar a casa, os armários e guarda roupas também foi uma boa atividade nos primeiros dias de pandemia, hoje já não vejo mais novidade. Assim como maratonar séries e colocar os filmes em dia: chega uma hora que bate uma estafa mental até nas atividades que antes nos davam lazer. Mas a tática de intercalar afazeres da casa com o trabalho é sempre uma boa, faz o tempo fluir melhor.

A saída acaba sendo a boa velha recomendação para parar, respirar fundo, mentalizar as coisas boas que temos na vida – saúde, família, casa – e se inspirar nos sonhos do que fazer em 2021, que está logo ali. Será que aquela viagem finalmente vai rolar? Sigamos em frente em busca da paz mental para descobrir – e concretizar!

André

30
out

Cozinhar

brownie-cetogenico

Eu sempre arranjo uns refúgios mentais para não pirar com a realidade da vida, você sabe como é.  Ano passado a literatura me salvou do mais completo surto, e geralmente ela me salva sempre. Mas esse ano, não sei se vocês ficaram sabendo, estamos vivendo uma pandemia. A literatura me ajudou, mas com tanta ansiedade e notícia ruim, foi difícil me concentrar nas histórias. Foi então que eu percebi que outra atividade me acalmava: cozinhar. Não estou falando daquelas comidas rápidas que a gente faz na hora do almoço ou no jantar durante a semana (essas acho que até estressam), mas aquelas refeições um pouco mais elaboradas que te exigem tempo: uma torta, um pão, uma massa, enfim… tudo o que faz você ficar um tempo na cozinha.

Nesses momentos eu percebo que vivo muito bem: coloco um vinho na taça, coloco um fone no ouvido, ligo em um podcast legal e boto a mão na massa. Vivo por umas 2 horas no mais completo prazer e alegria, que é a minha própria companhia. Cozinhar assim exige atenção, mas uma atenção prazerosa, pois faz eu tirar os olhos do celular e dos pensamentos pessimistas. Faz eu perceber como trabalhar com comida é algo poderosíssimo, faz eu pensar que saber cozinhar é algo libertador e faz eu refletir sobre como as pequenas coisas são tão importantes na vida. Acho mesmo que no futuro, quando tudo isso passar, nós lembraremos mais das pequeninas coisas do que das grandes.

Já faz alguns meses que em todo final de semana eu tento fazer alguma coisa legal. Já fiz nhoque (quase me arrependi porque não aguentava mais fazer aqueles formatinhos infernais, mas tudo bem), já fiz bolo de rolo (três vezes, porque achei que arrasei, mas aí enjoei), tortas de frango (várias, acho que enjoei), bolo de chocolate com receita de Chef (descobri que coisas com cacau são saudáveis, mas tão sem gracinha), cookies genuinamente americanos (comi tanto que enjoei), frango empanado com parmesão (ainda estou fazendo, não enjoei) e muito mais.

Eu gosto mesmo é de fuçar receitas difíceis e fazer. Me sinto desafiado e feliz (quando dá errado eu me sinto um lixo e faço de novo, não disse que estou emocionalmente controlado, apenas que tento). O grande problema é que as coisas andam muito caras e o país está em crise. Já viu o preço das frutas? Menina, eu tô abalado. Mas seguimos cozinhando e surtando e seguindo a canção.

Beijos

Rodrigo

15
out

15 de outubro, Dia do Professor

dudu

Sou filha de professora. Minha mãe é apaixonada pelo trabalho dela e dedica horas pesquisando, estudando, preparando aulas e acompanhando os alunos em práticas e projetos que certamente enriquecem muito a formação deles. Médica veterinária por formação que, depois de anos de experiência no mercado, resolveu se dedicar à carreira acadêmica dividindo todo o seu conhecimento e amor pela profissão.

Certa vez ela precisou fazer uma viagem urgente e me pediu para ir até a faculdade “apenas” para aplicar uma prova a uma turma de graduação. A tarefa parecia simples, entregar as provas para uma classe de alunos adultos, esperar que eles as fizessem, recolher as provas e levar pra casa. Mas na frente da turma, ocupando o lugar da minha mãe, me senti desrespeitada. Vi alguns estudantes colando e conversando. Me lembrei dos tempos em que me sentava numa daquelas cadeiras e, provavelmente, muitas vezes não fui a melhor aluna e até devo ter atrapalhado a aula com conversas paralelas. Acho que pela primeira vez me coloquei no lugar do professor e refleti o quão difícil deve ser a missão de ensinar.

Guardo boas lembranças dos meus professores. Muitos deles foram verdadeiros mestres e contribuíram demais na minha formação profissional e pessoal. Tive exemplos que foram verdadeiras inspirações e que me impulsionaram a seguir em frente com amor e dedicação. Muito obrigada.

O que dizer então dos professores dos meus filhos que, por conta da pandemia, precisaram se reinventar de uma hora pra outra? Eles se adaptaram, buscaram alternativas, foram criativos e seguem trabalhando duro para manter o interesse dos alunos nas aulas online. Esses dias meu filho mais velho, que cursa Enfermagem, estava em uma aula prática de obstetrícia. Na tela do computador, a professora se passava pela gestante sentada em uma bola de pilates. Achei demais!

O caçula está apenas no segundo ano do fundamental e faz as aulas online ao meu lado, enquanto eu trabalho. Diversas vezes preciso colocar fone de ouvido para me concentrar. As crianças falam todas ao mesmo tempo. Eles têm milhares de perguntas, gostam de comentar, falar sobre assuntos que não têm nenhuma relação com a aula e até colocar fundos de tela temáticos enquanto a professora fala. Sempre penso “Essa professora é incrível. Eu no lugar dela já teriam mandado todos desligarem os microfones.” Tá certo que algumas vezes ela pede gentilmente que eles façam isso, mas sempre dedica parte da aula para bate-papo ou brincadeiras, afinal, eles são crianças e estão com muita saudade dessa sociabilização com os colegas de turma.

Por tudo isso e muito mais, pois poderia passar horas aqui elogiando os professores, meu sincero reconhecimento. Vocês são profissionais admiráveis e peças fundamentais para o desenvolvimento de cada um de nós. Muito obrigada.

Feliz Dia dos Professores!

Beijos,

Aline Cambuy

23
jul

YouTuber

Como criar capítulos em vídeos no YouTube - TecMundo

Já dizia o meme na internet: nunca diga dessa água não bebereis, porque vai que bebereis, né? Sou a prova viva disso, pois eu dizia, repetia e reafirmava que se um dia eu virasse youtuber já poderiam me internar. Pois podem me enviar para alguma instituição, porque eu não somente virei youtuber como estou levando tudo muito a sério. E YouTube é sério.

Tudo começou há uns dois anos em uma disciplina de pós-graduação. O trabalho era criar um canal no YouTube para estudar novas formas de produção de conteúdo. Foi uma trabalheira, porque além de gravar, editar, criar uma logo, fazer artes e criar páginas nas redes sociais, nós tínhamos que pensar aquilo como um pequeno modelo de negócio. Fizemos, porque tinha de ser feito.

No meu grupo, eu me voluntariei para ser a pessoa a apresentar aquilo na frente da câmera, porque lá no fundo, eu sempre quis me aparecer, mas só no fundo mesmo. Na superfície eu tirava sarro de youtubers, dizia que isso não se sustentava, que era uma besteira, que estava fadado ao ostracismo, que ganhar dinheiro com isso era um ultraje. Tudo isso quando eu mesmo consumia muito conteúdo pela plataforma. O assunto do canal seriam séries de TV, porque é o assunto que mais domino, consumo e já escrevia sobre isso em um site. Mas não teria como fazer isso totalmente sóbrio, então eu sugeri falar sobre série tomando uma taça de vinho. E assim nasceu o Vino Série.

Pois muito que bem, depois do trabalho apresentado, o resultado foi bastante surpreendente para mim, porque aparentemente as pessoas gostaram daquilo. Eu agradeci e segui em frente, porque se eu virasse youtuber vocês poderiam me internar…

Depois de uns meses e mais elogios, decidi fazer mais um vídeo, só mais unzinho. Fiz. Gostaram. Aí fiz mais um. Mais um. Mais outro. Fui fazendo aleatoriamente e hoje tenho 79 videos e mais de 2.800 inscritos, o que é pouco perto de outros canais considerados até mesmo pequenos, mas eu estou bem felizinho, porque percebi ali dentro que de fato a plataforma é uma grande comunidade. Recebo elogios passionais de gente que assiste ou lê as coisas que eu indico apenas porque eu disse que valia a pena.

Estou dizendo tudo isso porque eu só decidi encarar o YouTube a sério no final do ano passado, comecinho desse ano. São vários os motivos, motivos profundos, que me levaram a transformar esse canal despretensioso em um projeto de vida. Basicamente eu percebi que eu poderia passar a vida toda reclamando e sendo aquele comunicador frustrado ou de fato produzir coisas que eu gostava, do meu modo, falando do meu jeito e me comunicando da minha forma.

Produzir vídeo para o YouTube me lembrou que desde criança eu sempre fui uma pessoa artística, que dançava, atuava, desenhava e tinha ambições de ser ator. Alguns percalços da vida (e algumas pessoas) foram minando esse meu lado, até que me fechei e endureci.

E quem diria que esses youtubers que que eu tanto critiquei iriam fazer eu me lembrar dessa pessoa que um dia eu fui. Hoje eu leio os comentários das pessoas que assistem a meus vídeos e fico orgulhoso de mim, porque eu passei anos e anos querendo falar e me escondendo e me sabotando. Fora que percebi como a forma de consumir e produzir conteúdo vai mudar ainda mais. E que fazer vídeo para o YouTube não é nada simples e envolve planejamento, roteiro, estratégias e uma boa dose de paciência. 

Então é isso. Lá no meu canal eu falo enquanto bebo vinho. E hoje não falo só sobre série, mas também sobre filmes e livros. Vem me ver: https://www.youtube.com/vinoserie

Beijos

Rodrigo

9
jul

Home office e homeschooling

home-office

Nós jornalistas já estamos, ou deveríamos estar, mais adaptados ao home office. Mesmo quem precisa sair para trabalhar, costuma ter um notebook e uma boa internet em casa. Faz parte da nossa profissão. Estamos conectados o tempo todo. Com o início da pandemia e a necessidade de isolamento social, fomos obrigados a levar o trabalho pra casa, assim como outros tantos
profissionais de diferentes áreas. Sorte a nossa que a profissão nos permite essa flexibilidade do trabalho remoto.

O problema é que toda a família se viu em quarentena ao mesmo tempo. As escolas fecharam, muitos estabelecimentos comerciais também. Na minha casa são dois estudantes, um no ensino fundamental e outro na universidade. Pois bem, tanto a escola do pequeno quanto a faculdade do mais velho iniciaram rapidamente as aulas online. Foi então que começou uma nova rotina, nunca antes imaginada por nós, e que testa todos os nossos limites.

Para o universitário foi mais fácil, pois ele não depende do meu auxílio para seguir com as aulas e compromissos da faculdade. Mas com o pequeno a história é bem diferente. Parece fácil. Basta ligar o computador e acessar o link da aula. Aí coloca um fone de ouvido na criança e deixa ela interagindo ao vivo com os professores e colegas.

Mas na prática não é assim. O link cai, a criança clica no botão errado e não consegue mais ver a tela compartilhada da professora e os alunos falam todos ao mesmo tempo, desafiando a paciência da professora que usa todas as suas habilidades para manter o foco das crianças.

Sem falar nas interferências de se estar em casa. Cada um quer mostrar o seu quarto. Cada um tem um animal de estimação para apresentar e brinquedos que querem exibir.

E ainda tem o home office. Como já está bem claro que essa pandemia vai longe, fomos obrigados a nos adaptar. Busco conciliar as agendas. Não marco nenhuma call no horário das aulas ao vivo. Enquanto ele participa das aulas eu trabalho, no mesmo cômodo, assim posso auxiliá-lo se precisar. Quando tenho as minhas reuniões e preciso de silêncio, explico para ele e oriento que vá brincar no quarto ou veja televisão.

Escrevendo assim, até parece fácil. Mas não é. Esses dias briguei com ele no meio de uma aula ao vivo e nosso microfone estava ligado. Depois outra mãe me chamou no whats e disse que ouviu a bronca. Fiquei um tanto envergonhada.

Tem ainda os trabalhos e atividades para fazer em casa, que parece que não daremos conta de concluir nunca. Nos finais de semana tentamos colocar essas tarefas em dia para enviar na segunda-feira pelo grupo de whats da escola. Quando penso que zeramos, vejo uma mãe mandando um trabalho que nem estava na nossa lista.

O fato é que essa pandemia tem nos ensinado muito. Aprendemos a fazer melhor a gestão do tempo em casa, conciliando trabalho, filhos e afazeres domésticos, na medida do possível. Exercitamos a paciência e tentamos controlar a ansiedade. Tenho feito um esforço danado para brigar menos e compreender que todos estamos angustiados e precisamos manter a calma.

Com amor, respeito e uma dose extra de paciência, seguimos em frente. Torcendo para que nossas vidas voltem logo ao normal e que essa experiência contribua para a nossa evolução.

Vai passar!

Beijos,

Aline Cambuy

3
abr

Surtos e devaneios

surtos

Temos um talento incrível para tentar prever o imprevisível. Eu mesmo posso até dar aula sobre como fazer isso. Posso formatar um curso e oferecer numa live insuportável do Instagram: como desgraçar sua cabeça e pensar no pior em 8 pequenos passos – um curso para a vida.

Tem gente que tem esse talento incrível para o bem. Consegue pensar positivamente no futuro e misteriosamente as coisas de fato dão certo. Tenho uma amiga que pensa tão positivo que hoje mora no Canadá, namora um canadense maravilhoso, conseguiu trabalho na própria área (jornalismo) e está feliz da vida em sua quarentena vendo a neve cair. Ela nunca duvidou que a vida seria boa.

Eu, não. Nessas épocas de coronavírus, pandemias e gente maluca, eu estou virando o mestre da previsão e das perguntas do futuro.

E se o dinheiro acabar? E se eu perder o emprego? E se o dinheiro acabar, eu perder o emprego e tiver que fazer um post no Facebook pedindo ajuda? Tem grupos no WhatsApp também, talvez seja uma boa. Pra quem eu posso pedir dinheiro emprestado? Bancos? E se eu passar fome? E a minha gata? Terei feno para meu porquinho-da-índia? Será que farei sucesso com meus vídeos no YouTube? Um dia eu vou morrer. Mais do que isso. Um dia todos que eu amo vão morrer. Qual o sentido? O capitalismo não faz sentido. O que nos espera após a morte? Mas uma coisa é certa: tudo vai dar certo. Mas e se não der? Eu deveria viver com menos? Por que não economizei? Deveria ter feito aquela viagem. O ser humano é triste. Vou conseguir comprar a ração boa pra minha gata? A areia dela está acabando. Será que eu poderei adotar uma criança? Tenho condição de adotar uma criança? Mas se eu não tiver dinheiro. A vida faz sentido? Será que se eu não tivesse saído de Matinhos agora eu seria um pescador ou um surfista? Nunca aprendi a surfar. Esqueci de comprar arroz. Por que o molho do macarrão ficou tão ruim? Minha desorganização será o meu fim. Posso aproveitar a quarentena para ler. Por que não consigo ler? Provavelmente até dezembro estarei falido. Devo começar a chorar? No fim tudo dará certo. Será que no fim tudo dará certo? O ser humano está destruindo o ecossistema.

Haja terapia.

Rodrigo

 

5
mar

13 anos

facebook

Hoje é dia de celebrar! A Talk completa 13 anos. E nós temos orgulho de participar dessa jornada que é vivida com muita dedicação e alegria. Até aqui, contamos diversas boas histórias, firmamos parcerias vitoriosas e fizemos grandes amigos. E é assim que queremos continuar.

Vivemos grandes mudanças na comunicação empresarial e evoluímos junto com o mercado. Por isso estamos sempre inventando moda. Em breve, apresentaremos novidades para vocês.

Obrigada a todos que acreditam no nosso trabalho.

Beijos,

Aline Cambuy e Marisa Valério

17
jan

Intimidade

20190605154733_IMG_9109

Assumi as saudades como um elemento constante dentro de mim, que às vezes sinto quase como uma dor física no peito. Como as saudades que sinto de Portugal. É o país em que morei por um período da minha vida e que sempre esteve comigo, por meio das histórias do meu avô, imigrante da Ilha da Madeira. No ano passado, pude retornar ao país lusitano e à cidade em que vivi, Coimbra, que não por acaso inspirou o fado “Saudades de Coimbra”, do poeta José Afonso.

“Ó, Coimbra do Mondego

E dos amores que eu lá tive

Quem te não viu anda cego

Quem te não amar não vive”

E o clássico fado “Balada da Despedida”, criado pelo poeta e compositor Fernando Machado Soares.

“Coimbra tem mais encanto, na hora da despedida.

Que as lágrimas do meu pranto, são a luz que lhe dá vida.

Quem me dera estar contente, enganar minha dor.

Mas a saudade não mente, se é verdadeiro o amor”

Só de ler essas palavras já me afloram as saudades outra vez.

Coimbra é uma cidade de passagem para a maioria das pessoas que vivem ou viveram lá. A maior parte dos moradores são estudantes que vão à Universidade de Coimbra, como foi meu caso, e que após um período de estudos e das vivências alegres da juventude pelas ruelas da cidade, voltam para suas casas em outras partes do país ou do mundo.

IMG_20190605_165602

Passei apenas um dia e meio em Coimbra durante minha última viagem — cheguei lá no dia do meu aniversário de 27 anos, o que tornou a data ainda mais especial para mim —, mas foi o suficiente para meu peito se renovar de amores por aquele lugar.

Fiquei emocionada ao pisar novamente naquela que foi a minha cidade anos antes. Foi com muita alegria que novamente cruzei a ponte de vitrais coloridos sobre o Rio Mondego, subi e desci as infindáveis ladeiras da cidade, parei para tomar uma ginjinha em uma tasca e comemorei a idade nova com um expresso e um pastel de nata com muita canela em um dos cafés nas redondezas do Largo da Portagem.

IMG_20190605_195346

Caminhando pela Baixa de Coimbra, passei em frente ao predinho em que vivia, uma residência estudantil que abriga algumas dezenas de estudantes de várias partes do mundo e, para minha sorte, encontrei um dos proprietários do local, o Miguel, ali em frente. Após conversas sobre os velhos tempos, ele me deu a chave para que eu pudesse entrar e relembrar os momentos em que vivi ali. Como foi bom poder novamente subir aquelas escadas, caminhar por aqueles corredores que seriam tão comuns para alguns, mas cheios de significados e memórias para mim.

Quando eu e meus colegas de residência vivemos ali, anos antes, havia duas ou três fotos em uma grande parede de um grupo de pessoas que moraram ali antes da gente. Antes de cada um voltar para suas cidades e países de origem, colamos várias fotos de momentos nossos por ali também. Eu me questionava se aquelas imagens continuariam ali, anos depois, e sim, lá estavam elas, agora ao lado de dezenas de outras fotos de quem morou ali nos anos posteriores.

Recebi muitas mensagens de amigos que viveram comigo naquele período quando viram algumas fotos que postei do nosso antigo lar. Com uma amiga, que era a mais próxima quando vivemos ali, falei sobre tudo o que eu senti de volta a Coimbra, e ela falou sobre como, mesmo anos depois, a cidade ainda continuaria nos sendo íntima.

Gostei de pensar o conceito de intimidade para uma cidade. Na verdade, esse adjetivo foi o que melhor descreveu o que senti nesse breve retorno. Sinto que, mesmo passado o tempo, Coimbra continuará sempre íntima, com suas ruas de pedra que estão lá há séculos, as casinhas e prédios tipicamente portugueses, a tranquilidade da vida. Muda-se algo do cenário, muito dos moradores, mas, no fim, é sempre como reencontrar uma velha amiga que amamos. Eu guardo meu afeto por ela, e ela minhas lembranças vividas ali, tão doces quanto licor de ginja.

Stephanie D’Ornelas

27
mar

5 aplicativos para aprender algo novo todos os dias

Nerina, do artista Mazzani. Google Arts & Culture procura obras de arte semelhantes a selfies. Segundo o app, essa obra se parece comigo.

Nerina, do artista Mazzani. O aplicativo Google Arts & Culture procura obras de arte semelhantes a selfies. Segundo o app, essa se parece comigo.

Nos dias de hoje, é difícil encontrar uma pessoa que não esteja sempre dando aquela olhadinha no celular ao longo do dia. Se você é uma delas, já pensou em aprender uma informação nova quando estiver com o smartphone na mão? Existem infinidades de aplicativos gratuitos voltados para o ensino — há opção desde para quem quer aprender chinês até para quem quer tocar um novo instrumento.

Nesta lista, selecionei cinco dos meus aplicativos favoritos para nunca deixar de aprender. Confira:

DailyArt

Já pensou em ter, todos os dias, uma fotografia de uma obra de arte na tela do seu celular? É assim que funciona o DailyArt, um app gratuito para inspirar os amantes das artes. E, se você gostar da obra do dia, basta clicar nela para obter mais informações sobre sua produção e autor.

Google Arts & Culture

Aqui vai outra dica para quem curte arte: o Google Arts & Culture. O app gratuito é mantido pelo Google em parceria com museus espalhados por diversos países. Com ele, é possível fazer visitas virtuais a algumas das maiores galerias do mundo e ler textos inspiracionais. Uma das ferramentas mais interessantes do app é o Art Selfie, que compara sua selfie com obras de artes ao redor do mundo parecidas com você.

Pocket

Sabe quando você encontra um texto legal na internet mas não tem tempo para ler no momento? O Pocket é perfeito para salvar links interessantes para ler depois. Os textos escolhidos podem ser salvos no aplicativo, e, além disso, a plataforma sugere outras leituras com base nos seus interesses.

Curiosity

O Curiosity é o app ideal para pessoas curiosas que nunca param de aprender. A plataforma dispõe de textos diários com informações relevantes sobre o mundo. Por enquanto, o aplicativo está disponível apenas em inglês.

TED Talks

O TED é uma série de conferências realizadas em vários países do mundo que tem o objetivo de expor, segundo as palavras da própria organização, “ideias que merecem ser disseminadas”. Além do site oficial e do Youtube, as palestras do TED também estão disponíveis no app. O aplicativo permite que você selecione seus principais interesses para receber sugestões personalizadas de vídeos.

Stephanie D’Ornelas