Arquivo da tag: leitura

12
jan

Livros

kindle

Desde o final do ano passado eu tomei uma decisão pessoal e gostosa: ler mais. Há uma rede social para leitores, chamada Goodreads, que propõe anualmente um desafio de leitura. Você coloca um número de livros como meta e, a cada obra finalizada, o site vai contabilizando. Nisso, você vai ouvindo a opinião dos outros sobre aquele livro que você acabou de ler, encontra alguns outros, recebe indicações e assim vai indo. Minha meta este ano é de 50 livros, sendo que já li dois e atualmente leio “O que deu para fazer em matéria de história de amor”, de Virginia Vigna, grande autora brasileira falecida ano passado.

(parênteses: no finalzinho do ano eu comprei um Kindle, contrariando meu apego ao papel. Quis comprar para poder ler alguns livros de fora do país que ainda não foram traduzidos. Eu estava pronto para odiar. Acabei amando e recomendo. Além de leve, te faz ler mais e mais rápido).

Eu conheci os livros por meio da minha tia, que me emprestou “Assassinato no Expresso do Oriente”, da Agatha Christie. Um livro estranho para se emprestar para uma criança, mas gamei. Depois disso foram vários da mesma autora, ou a coleção Vagalume ou até aqueles livros obrigatórios da escola/vestibular, que de tão obrigatórios se tornam chatos e, para quem não tem o hábito da leitura, aí é que desiste de vez. Existem livros que precisam ser lidos depois de uma certa maturidade, e não digo maturidade no sentindo intelectual. A gente precisa viver um pouco antes de mergulhar em algumas histórias.

Também fui fisgado, claro, por Harry Potter, e aí ler se tornou um troço tão divertido que eu nunca mais larguei. Inclusive hoje em dia eu agradeço quando alguém se atrasa, o trânsito congestiona ou eu demoro pra ser atendido. Dá mais tempo de ler.

Não sou daqueles que acham que a leitura transforma o ser humano numa pessoa melhor e a eleva a um patamar maior. Tem muito babaca leitor por aí. Acho que nós deveríamos parar de falar sobre leitura como uma redenção do espírito e começar a mostrar que ler é um negócio divertido demais. Também não acho que ler os clássicos seja obrigatório nem que que best-seller mata células do cérebro. Não interessa se você lê “Cinquenta Tons de Cinza” ou os clássicos da literatura. Acho bacana se desafiar enquanto leitor, experimentar outros estilos, conhecer outros autores, mas cada um é cada um. O que não dá é pra ficar normatizando algo que é muito prazeroso.

Beijos e bons livros em 2018!

Rodrigo