Arquivo da tag: Festival de Teatro

2
abr

Em cena

Neste final de semana fui assistir a dois espetáculos do Festival de Teatro de Curitiba. Gostei de ambos e curto ainda mais o clima que a cidade incorpora nesta época, com gente descolada exibindo cabelos coloridos, sotaques, estilos, esforços gigantescos para parecer cool.

Em tempos de Festival sempre me lembro de uma história contada muitíssimos anos atrás pelo Chico Pennafiel, ator e diretor de teatro com quem trabalhei no departamento de marketing de um grupo educacional. Ele fez, numa das primeiras edições do Festival, uma peça interativa numa época em que não se falava de interatividade. O Chico montou uma espécie de casa com paredes transparentes, na qual ele “morava”, no meio da Praça Santos Andrade, bem no centrão de Curitiba.

A plateia assistia ao ator acordando, comendo, lendo, fazendo nada, indo ao banheiro (tinha uma cortininha pra esconder), dormindo, vivendo. Ele me contou que uma manhã ele acordou bem cedo, tipo 6h, e colocou na vitrolinha um disco vinil do Chico Buarque com a música Valsinha. Fazia frio, a cidade estava com aquele fog londrino típico daqui. De repente, em meio ao “Um dia ele chegou tão diferente….” veio vindo um homem bem vestido, de terno e sobretudo, pasta de trabalho 007. Ele disse que, quando viu a figura, aumentou o volume da música.

O executivo, então, colocou a pastinha 007 no chão e começou, sozinho, a valsar no meio da praça. Dançou, deu rodopios, valsou com toda a emoção. “O mundo compreendeu e o dia amanheceu em paz”. E o executivo e sua pasta 007 foram embora. Ator virou plateia. Achei lindo. Deve ter sido uma das melhores cenas do Festival. Que inveja do Chico.

Beijos, Karin Villatore

1
abr

Shakespeare de graça nas praças

Foto Heloisa Rego

O Festival de Teatro de Curitiba acabou de começar e já estou adorando. Fui ver uma das peças que abria o evento, “Sua Incelença Ricardo III” no Bebedouro do Largo da Ordem. A peça era de graça, ao ar livre, para todos. Como a rapadura é doce, mas não é mole não, São Pedro não facilitou e choveu durante todo o espetáculo. Na peça os atores cantam, dançam e tocam. Mas o que me deixou emocionada mesmo foi que nem a maquiagem escorrendo do grupo potiguar, Clowns de Shakespeare, fez o espetáculo perder a magia. Com a chuva aumentando poucos desistiram de assistir porque estavam sem proteção nenhuma, muitos pais com crianças também, mas a maioria resistiu bravamente à provação. Meu entendimento de dramaturgia fica no achismo barato, mas acredito que encenar um texto de Shakespeare, misturando músicas do Queen e sotaque nordestino, embaixo de uma chuva danada, com uma platéia fiel que aplaudiu em pé segurando o guarda-chuva na mão, não é para qualquer um. Bravo!
Aí ontem desço do ônibus depois de um dia mega agitado e dou de cara com a Megera Domada sendo encenada no meio da Praça Santos Andrade. Despretensiosamente, os atores representavam praticamente só com os figurinos que vestiam e meia dúzia de improvisados objetos cênicos.  A platéia estava repleta. Eram estudantes, transeuntes, gente velha, nova, um pipoqueiro, vendedores ambulantes e a tia maluca que ta sempre ali gritando discursos apocalípticos.
Não tive como não sorrir. Fiquei pensando que bons artistas fazem um bom público. E em o que a arte não é capaz.

Cristiane Tada