Arquivos da categoria: Assessoria de Imprensa

9
jun

O amor está no ar

maisamor

As vitrines das lojas estão repletas de corações. Os restaurantes anunciam promoções para os casais. Não tem como não se lembrar do Dia dos Namorados, por onde quer que você passe a data chama a atenção. Seja pelas mensagens fofas e propagandas bacanas, seja pelos bregas corações de pelúcia com os dizeres “Eu te amo” que estampam as vitrines do centro da cidade.

Não sou do tipo romântica, mas acho válida a data, principalmente por fazer alguns casais lembrarem do quão importante é a troca de carinhos e mimos. Também faz lembrar o quanto é bom namorar.

Mas ninguém precisa de um dia especial para celebrar o amor. Ele pode ser comemorado nas pequenas coisas todos os dias. Vamos nos curtir mais, amar mais e compreender mais. Tenho certeza de que seremos mais felizes!

Mais amor, por favor.

Beijos,

Aline Cambuy

26
mai

Vou contar uma história de amor

Minha cunhada Florinha, minha mãe Noeci e minha sogra Dinah (sentada): três meninas de ouro.

Minha cunhada Florinha, minha mãe Noeci e minha sogra Dinah (sentada): três meninas de ouro.

Dinah e Florinha eram mãe e filha e, muito mais do que isso, amigas e companheiras de uma vida inteira. Conviveram por 68 anos, até domingo passado, quando Florinha se foi, mansa como um passarinho, o corpo pequenino, o rosto altivo, expressão serena e amável. Contava 87 anos menos cinco dias.

Dinah vai comemorar 88 em 2 de agosto e pela primeira vez não receberá o abraço carinhoso da filha ou a ligação telefônica desejando “paz, amor, saúde, compreensão” – bordão sincero da família para os aniversariantes.

Como são, então, mãe e filha, se ambas tinham a mesma idade?

Suas vidas se entrelaçaram por arte de Octacílio, jovem viúvo de 36 anos. Os olhos azuis encantaram a moça Dinah, recém chegada aos 18, e depois de oito meses de namoro e noivado, os dois se casaram. O noivo trouxe junto a filha Florinha, da mesma idade da madrasta. A sintonia foi imediata e elas zelaram pelo relacionamento como cuidariam dos filhos. Sem brigas, sem disputas, sem cara feia.

A enteada casou em seguida e a prole das duas começou a chegar. Quatro filhos para cada uma. Eles foram nascendo juntos, quase aos pares, o que gerou uma confusão de respeito, com sobrinhos mais velhos que os tios, e tios-avós ainda meninos.

Lá pelos 15 anos, o terceiro guri da Dinah, Claudio, perguntou para a mãe, tentando entender o rolo familiar: “Afinal, o que a mana é minha?”.

Essa história não termina com a despedida da Florinha, cuja herança de bondade e delicadeza jamais se perderá. Mas hoje Dinah está mais triste. Ela só encontra consolo na certeza de que algum dia reencontrará a filha e toda a turminha que já partiu dessa vida, um sonho que acalenta há algum tempo, desde que marido, um filho e todos os irmãos a deixaram.

Dinah é minha sogra e Florinha, minha cunhada. Mas frequento a família Valério há 37 anos e as trago no coração como mãe e irmã. Tenho certeza de que minha vida foi muito melhor por causa delas e do amor que nos entregaram.

Marisa Valério

18
mai

Trintão de 80

futurama-fry-wallpaper-1

Ôôôôôôô

O buyling voltoooouuuuuu, o buyling voltooooouuuuuu, o buyling voltooooouuuuuu

Ôôôôôôô

O buyling voltooooouuuuuu, o buyling voltooooouuuuuu, o buyling voltooooouuuuuu

Ôôôôôôô

Pois é, o bullying dos tão queridos – talvez eu deva reavaliar a definição de queridos – colegas de trabalhou ressurge das cinzas. A mais nova teoria é a minha verdadeira idade. O veredito é que sou um trintão – quero deixar claro que tenho apenas 33 anos – com a mentalidade de um ancião na casa dos 80 anos.

Gente, preciso dizer que não é bem assim. A única relação que tenho com a dezena 80 é o ano de nascimento – longínquos 1984.

Tudo começou quando comentei o amor que os jovens estudantes devem ter pela minha rica pessoa no condomínio onde moro. O por quê? Apenas, veja bem, apenas, por causa de uma ideia que foi acatada em reunião de condôminos para limitar as pessoas nas áreas comuns, lista de convidados para churrascos, aniversários e outras festas e horário de uso. Ok que a sugestão foi minha. Mas alguém precisava acabar com a party mucho louca que rolava nas tardes e noites de sábado.

Outra proposta que devo levar na reunião de outubro – alvo de forte oposição e críticas dos work friends – é a proibição do Airbnb onde moro. Pensem comigo e vejam se não estou certo: são aproximadamente 250 apartamentos e mil pessoas morando e dividindo os mesmos espaços comuns. Imagine se 30% dos proprietários adotarem a pratica… será um turnover enlouquecedor para quem – na maioria das vezes – optou por morar em um apartamento pela segurança.

Antes que digam, amo a nova economia, criativa ou colaborativa, como preferirem chamar. Sou um apaixonado por viajar e tenho um lado crazy quando o assunto é leitura sobre finanças pessoais, investimentos e orçamento familiar. Faço tudo que posso pela internet. Até a minha conta no banco é digital. Tenho orgulho cada vez que vejo um novo negócio voando alto.

Enfim, duas ideias não podem me definir como um ancião com o corpinho de 30. Até o meu amor por uma caneta BIC que sempre carrego com o caderno de anotações virou motivo para as teorias da minha idade real.

Gente, era uma BIC!

Assunto para o próximo post…

Beijo

Wellington

5
mai

A tal da internet

internet

Não há como viver sem internet. Fato! Essa semana houve um problema técnico no escritório, ficamos sem conexão e foi simplesmente desesperador. Não há como trabalhar. Você escreve um texto, faz algumas ligações, mas depois precisa enviar os materiais para o cliente e para a imprensa por email. Você usa os dados do celular, o webmail, mas logo se dá conta de que isso não resolverá todas as suas demandas do dia.

A tal internet é tão recente, mas já não lembramos como era viver sem ela. Durante esse episódio de falha técnica estava tentando recordar como fazíamos para nos comunicar, enviar releases, notas, etc. Lembrei-me de um aparelho de fax que usava na primeira assessoria de imprensa em que trabalhei. Ele era de grande valia para enviar notas e textos para os jornalistas mais velhos da redação. Nessa época já se usava a internet, mas muitos ainda não eram familiarizados e não se rendiam às facilidades da rede.

Uma colunista social da Gazeta do Povo recebia as fotos impressas, com as legendas nas etiquetas coladas no verso, isso nos anos 2000. Também recebi muita sugestão de pauta via fax quando trabalhei em rádio, principalmente comunicados da Câmara de Vereadores e da Prefeitura.

Nesta semana ainda passamos pela “queda” mundial do WhatsApp. O mundo ficou sem o serviço por umas duas horas e quando voltou os celulares lá em casa apitavam enlouquecidamente.

Já nos acostumamos com as facilidades da internet e ela foi incorporada a nossas rotinas pessoais e de trabalho a ponto de sermos completamente dependentes. Quando passamos por essas “panes” dá até certo frio na barriga. Que não aconteça novamente, amém!

Beijos,

Aline Cambuy

7
abr

Dia 7 de abril, Dia do Jornalista

Dia-do-JornalistaCresci sonhando em ser jornalista. Claro que, como toda criança, em algum momento pensei em ser aeromoça ou até paquita, mas a vontade de ser jornalista foi a que perdurou na adolescência. Hoje sou uma profissional realizada. Tenho certeza de que fiz a escolha certa e sou feliz com o meu trabalho todos os dias.

O jornalismo me proporciona muitas realizações e aprendizados. Circulo por setores bastante distintos e aprendo mais um pouquinho com cada um deles. Um dia meu irmão caçula me perguntou: “Você entende mesmo sobre tudo que escreve?”. Ele me contou que colocou meu nome no Google e encontrou matérias sobre gastronomia, saúde, transporte, gestão de pessoas, arte, moda, cultura, etc. Dei muita risada com a dúvida dele, mas em seguida expliquei que não sei um pouco sobre tudo, mas que o desafio está em buscar respostas e informações para tentar entender e depois escrever em uma linguagem em que o leitor entenda também. E isso é muito instigante.

Outra alegria como comunicadora é o relacionamento com as pessoas. Sou apaixonada por isso. Adoro conhecer gente e ouvir boas histórias. Aliás, são as boas histórias que costumam render as melhores matérias.

Neste dia 7 de abril, parabenizo a todos os colegas jornalistas.

Beijos,

Aline Cambuy

23
mar

Solidão tecnológica

blog-weli

Amo ler sobre novas tecnologias, redes sociais, vida digital e tudo que envolve o virtual. Quem me conhece pode confirmar. Quem sabe será capaz de me rotular como um chato por sempre saltar com uma opinião quando o assunto é abordado. Mas aí digo que sou jornalista e tudo se explica quase que instantaneamente. Ouso dizer que algumas vezes ouço até um ah tá.

Mas hoje jogarei contra. Não para derrubar a tecnologia. Essa não tem culpa. Nós somos os culpados. Seres humanos incapazes – na maioria das vezes – de encontrar o equilíbrio para as coisas da vida. E não, não é apenas a geração Y ou Z. A X e todas as outras também estão no mesmo bolo.

Sinto que vivo em um mundo high tech zumbi. Olho ao meu redor e vejo pessoas caminhando nas ruas mergulhadas nas telas dos smartphones. Mesas de bares e restaurantes com amigos conectados na fofoca mais quente ou no vídeo que recebeu no WhatsApp. Até nas famílias o papo parece ter ficado para o virtual.

Há momento para tudo. Inclusive para consumir as informações disponíveis nas redes sociais, sites e qualquer outro espaço virtual.

Uma pesquisa recente aponta que acessamos o smartphone quase cem vezes por dia. Quatro vezes por hora. Uma vez a cada quinze minutos. Aí pergunto: precisamos de tudo isso? Falo por experiência pessoal de um ser em processo de desintoxicação.

Que tal tentarmos uma experiência?

Entrou em um ônibus? Não caia na tentação de pegar o celular e observe a sua volta. Muita gente alheia ao que acontece no mundo ao seu redor? Pois é.

Vai andar como carona em um carro? Deixe o smartphone no bolso ou na bolsa e converse. Talvez o seu amigo tenha alguma história bacana para compartilhar.

Pegou um táxi, Uber ou Cabify? Puxe assunto com o motorista. Quem sabe você vai descobrir que ele trabalhou em uma multinacional e agora dirige profissionalmente para ter mais tempo com os filhos enquanto a esposa sai para trabalhar.

Está em uma roda de bar, restaurante ou em família? Apenas deixe que o silêncio seja quebrado por um assunto qualquer.

Garanto que, na pior das hipóteses, a carga do smartphone terá durado mais que 12 horas.

Viva a vida.

Wellington

16
mar

Quando eu era jovem

2-1-1

Esses dias li uma matéria, tipo essas do BuzzFeed, que listava coisas que somente jovens com almas idosas reconhecem. Eu me identifiquei.

Sim, eu tenho apenas 28 anos, mas reconheço alguns hábitos que, dizem, já são da fase madura. Dispensar balada para ver uma série ou filme na Netflix? Eu mesmo. Tomar um vinhozinho em vez de uma tequila louca ou litros de cerveja? Me chama! Ou melhor, não me chama, tem que me avisar com antecedência, porque eu meio que gosto das coisas planejadas. Ler um livro até tarde da noite em vez das noitadas? É comigo mesmo. Ganhar um pijama e ficar muito feliz? Eu fico! Ficar viciado em programas de televisão sobre cozinha ou decoração? Já está na minha grade de programação!

Às vezes essa vida pacata me deixa um pouco entediado e aí eu volto a ser jovem, só que na metade da noite eu já estou cansado da juventude e lembro do meu livro e da minha Netflix.

Claro que tudo isso é uma bobagem. Gostos pessoais vão muito além da idade. Mas se for pra categorizar, poderíamos dizer que sou um velhinho precoce. É tão gostoso. Ou talvez eu seja meio chato.

Rodrigo

15
dez

E esse frio fora de época?

E-esse-frio-fora-de-época

Ninguém está entendendo nada. Já é dezembro, tempo de fazer aquela matrícula na academia, botar em prática o projeto verão, curtir o sol, ir à praia… mas estamos vestindo lã e couro.

Que 2016 foi um ano esquisito, todo mundo deve concordar, e que o clima de Curitiba é temperamental, todo mundo sabe. Mas esse ano o negócio parece ainda mais estranho. Tivemos poucos dias ensolarados, muitos dias cinzas e frios e agora, no final do ano, parece que poderemos presentear as pessoas com blusas e cachecóis. Afinal, hoje é dia 15 de dezembro e está 16 graus! Seria legal se nevasse.

Para quem gosta de calor ou para quem só quer passar uns dias salgando o corpinho na praia, resta esperar que a primavera/verão chegue logo por essas bandas e a gente possa usar nossas camisetas e fazer um happy hour caloroso os amigos.

Beijos

Rodrigo

4
nov

Sem beijos nem abraços

8nHOMjDa0G4

Dia desses minha amiga Suzana Camargo, que mora em Londres, sucumbiu ao sangue latino, abraçou e beijou com entusiasmo uma semidesconhecida, que quase entrou em choque com tanto contato físico.

Lembrei da reação de uma moça em Gotemburgo, na Suécia, quando fui na direção dela, tomei-lhe em abraço e distribuí uns dois ou três beijos, a título de cumprimento. Ela se empertigou e ficou embaraçadíssima, enquanto eu custava a decifrar aquele estranhamento. Com um detalhe, tratava-se de uma curitibana morando há alguns poucos anos naquelas paragens geladas.

Lembrei também de ter lido em algum lugar que uma das maiores perdas sofridas pelos velhos é o toque, o afago. A medida que se envelhece, escasseiam os carinhos físicos. E há quem passe anos sem tocar em ninguém ou ser tocado. Essa informação me deixou tão chocada que não posso ver um velhinho sem ir logo me chegando e me oferecendo em chamegos.

Nos últimos dias, meu lado beijoqueiro e abraçadeiro anda contido por causa de uma conjuntivite. Quando avisto alguém já vou avisando que é melhor não se aproximar muito. As pessoas concordam com as minhas cautelas, mas ficam chateadas, sem saber onde por as mãos, visto que não podem pô-las em mim…

E percebo como no Brasil é tão constrangedor recusar o cumprimento esparramado quanto beijar alguém quase à força em Londres.

Beijos virtuais pra vocês!

Marisa

20
out

Horário de verão

horario-de-verao

Acho que as pessoa reclamam do horário de verão apenas por gostarem de reclamar mesmo. Ora, se você “perde” uma hora a mais de sono, basta dormir uma hora mais cedo. Nunca vi ninguém reclamando que “ganha” mais um tempinho no dia. Sejamos francos, é ótimo sair do trabalho, olhar pro céu e ainda estar claro. O Sol brilha por mais tempo, a gente fica mais contente e os dias parecem mais bonitos.

Curitiba é um pouco carrancuda, esse inverno passado foi ótimo para os amantes do frio e os dias ensolarados foram escassos. É por isso que ao invés de reclamarmos, deveríamos exercitar nossa positividade, ao menos até fevereiro, que é quando o horário acabo. Veja bem: a gente economiza energia (o grande objetivo do horário de verão), os dias são mais longos para o lazer (os sábados, então, são deliciosos) e nós nos sentimos mais seguros ao entardecer. Vamos combinar, a cidade anda meio perigosa mesmo.

E para quem não sabe, aqui vai uma breve explicação: o horário de verão foi instituído no Brasil entre os anos de 1931 e 1932. A ideia é economizar energia no horário de maior consumo nas regiões mais populosas. Com mais luminosidade natural no início da noite, as pessoas ficam mais tempo na rua e dividem o pico de energia, que geralmente acontece em torno de 19 horas. Neste horário, chuveiros, televisores e luzes são ligados ao mesmo tempo, causando o tão falado “pico”. Com o horário de verão, há redução do risco de falta de energia, melhor aproveitamento das usinas geradoras de energia e a diminuição da possibilidade de usar termoelétricas para o abastecimento energético da população. Cerca de 70 países adotam o sistema de horário de verão, entre eles Argentina e Estados Unidos.

Tá vendo? Que tal aproveitarmos?

Rodrigo de Lorenzi