Arquivo do autor:talkcomunicacao

17
nov

Deu e passou!

Foto: Divulgação

Depois de passar 30 anos envelhecendo, fiz uma descoberta recente que me deixou muito animada: minha velhice passou. É isso, deu, mas já passou, foi uma fase.

Talvez volte, vou ficar de olho. Mas por enquanto sinto que ela se foi e já foi tarde. Os amigos da minha idade – algo entre 50 e 60 anos – conseguem entender, depois que me explico.

Os jovens me olham com aquela condescendência que reservamos aos desajustados em geral e sepultam comentários debaixo de uma risadinha. São jovens, mas não são burros!

Vou resumir aqui minhas razões. Como sabem os mais próximos, não pretendo morrer. Se acontecer um dia, paciência. Só não está nos meus planos.

Por isso, resolvi há algum tempo mudar de vida. Nada muito espetacular. O suficiente, porém, para me devolver a juventude. Emagreci e venci a síndrome metabólica, nome técnico para as doenças da obesidade. As chiques, como a hipertensão, o diabetes, a esteatose hepática, a hipercolesterolemia; e as de pobre, como a dor nos quartos, o esporão calcâneo e até a unha encravada…Que tudo dá em quem é gordo.

Pois muito bem. Livre do peso que levava nas costas, livre dos remédios de uso contínuo, livre da ameaça de morte precoce por obesidade, eis que descobri que estou jovem de novo.

A velha guria que havia em mim reapareceu em forma de disposição e humor. E veio com bônus, em doses extras de tolerância e resiliência.

É claro que tudo isso tem pouco a ver com o espelho, esse miserável, que só escondeu a passagem do tempo para o sortudo do Dorian Gray. De modos que resolvi ignorá-lo, não preciso muito dele. Dou aquela conferida no reflexo para ver se as cores estão combinando, se não estou saindo de casa com a saia presa em algum lugar, se o cabelo segue em seu escorrido padrão, e sigo adiante.

Eu e Benjamin Button, mais jovens do que nunca!

Beijos,

Marisa

10
nov

Série é coisa séria

series

Quem me conhece bem sabe que um assunto predomina nas minhas conversas: séries. Ou seriados. Ou minisséries. Tem diferença, sabia? Para mim, estas produções já deixaram de ser apenas um passatempo, embora elas sejam, essencialmente, um entretenimento maravilhoso.

Não me entenda mal. As séries não viraram algo pesado e chato para mim, mas depois de anos vendo tanta televisão boa – e ruim também – acompanhar este modelo de narrativa virou um hábito. Eu não assisto porque estou entediado ou porque está todo mundo falando de determinada produção, mas porque já incorporei na minha rotina. É um prazer e um trabalho gratificante.

Para quem não sabe, eu assino uma coluna semanal sobre séries no site A Escotilha, cujo objetivo é oferecer uma visão mais crítica de diversas formas de arte. Também colaboro com o site Minha Série.

As séries acabaram sendo a grande revolução artística dos últimos tempos. Pense bem. Falando apenas de Brasil, se antes os seriados ficavam relegados às madrugadas da Globo ou do SBT ou eram apenas um nicho para quem tinha TV a cabo, hoje as produções viraram objetos de estudo, fora a mudança que houve na televisão mundial. É um crime dizer que a televisão, hoje, é sinônimo de burrice. Existem produções por aí tão incríveis que nem o cinema nem a literatura podem contestar (assista Família Soprano, Six Feet Under, Breaking Bad ou The Handmaid’s Tale).

É claro que isso me tornou um pouquinho chato (só um pouco). Tem gente que acha incrível determinadas séries e eu enxergo um monte de detalhes que não me impressionam, mas não é por arrogância. Eu simplesmente já assisti a coisas demais e li livros demais sobre. Houve uma época em que eu assistia 30 séries ao mesmo tempo e tinha toda a programação do que passava nos EUA. E eu assistia tudo sem me perder. Eu disse que era coisa séria.

Então, se eu disser que 13 Reasons Why me deu vergonha alheia, que Friends envelheceu mal e ficou datado, que a Netflix é ótima, mas anda acabando com o formato seriado e que Game of Thrones nem é tão boa assim, mas supervalorizada, não me leve a mal. Não estou ofendendo ninguém. Não me xingue.

Esse texto é só para falar mais um pouco sobre o assunto que eu mais consumo, leio e escrevo. Quem ainda não gosta é porque não descobriu uma série para chamar de sua. Se quiser algumas dicas, é só falar comigo.

Beijos

Rodrigo, o louco das séries

27
out

Todo dia pode ser um Natal

Heart-on-road

Sim, eu sou desses nostálgicos que amam a época do Natal e Réveillon. Sei que você deve pensar: é óbvio, todos amam essa época.

Mas, desde 2014, ela tem um significado ainda mais especial. É a época do ano em que eu, a minha esposa e o peludinho de quatro patas enfiamos as malas no porta-malas do nosso carro e pegamos a estrada para passar um tempo mais prolongado no Rio Grande do Sul.

Aí você pensa que o melhor de toda essa história é esse tempo por lá. Nãnaninanão. Como não podia ser diferente para um ser cheio de peculiaridades como esse que escreve esse post, a parte que mais amo é o trajeto de ida e vinda.

Amo pelo que ele representa. A ideia de pegar as nossas coisas e sair pelas estradas dentro de um ambiente tão pequeno e íntimo como um carro e ao lado dos dois seres que mais amo. E estou falando de quase dez horas de ida e outras 14 horas para retornar do Rio Grande do Sul.

Ou seja, muito tempo para conversar, comer, ouvir música, colocar a conversa do ano em dia, repassar o que queremos para o próximo ano, exercitarmos a gratidão sobre o que somos, trocar ideias e opiniões e, claro, inundar o carro de amor e reverberar coisas positivas.

Durante todo esse tempo ficamos sem pegar nos celulares ou envolvidos com a última notícia “urgente” que encontramos na internet.

“Acredite, ela estará lá no dia seguinte.”

É tempo onde tudo pode esperar e hora de resgatarmos o contato humano. Coisa que muitas vezes a correria da vida cotidiana acaba deixando um pouco de lado.

E, na verdade, acredito que essa seja uma das grandes mensagens dessa época do ano. O Natal e o Réveillon são momentos que dedicamos para viver a vida de uma forma mais próxima do outro. Damos atenção, conversamos, tentamos desconectar e aproveitar intensamente cada momento, compadecemos pelo esforço das outras pessoas e, mesmo que inconscientemente, buscamos o nosso melhor para trazermos, pelo menos durante esses sete dias, o que realmente temos de melhor.

“Os problemas vão embora? Não. Mas com esse sentimento parecem de mais fácil solução. Pode ser uma realidade falsa? Gostaria de pensar que essa deveria ser a nossa busca diária.”

E, com outubro chegando ao seu fim e novembro dando as caras, já começo a rever 2017 e pensar em 2018. Vocês sabem que gosto de planejar com antecedência, né? E estou orgulhoso das coisas que fiz (ou fizemos, né Tutti?) nesse ano. Falando por mim, considero que tive uma transformação inacreditável como ser humano e profissional. E isso passa pelo homem lá de cima dar a oportunidade de conhecermos e vivermos com as pessoas certas. Encontrar novas amizades, novos ares, rever como viver alguns relacionamentos e estar bem comigo mesmo foram fundamentais nesse processo. Essa transformação passa pela minha esposa que é uma pessoa fora de série e angelical e a humanidade de pessoas felizes e do bem que encontrei aqui na Talk.

Vamos em frente com passos firmes e delicados na busca por um eu, tu e nós melhores. E não precisamos esperar 2018, viu? Que tal começarmos ainda em outubro a construção desse lugar melhor? Que tal começarmos agora. Os sentimentos do Natal estão dentro de cada um 24 horas por dia e 365 dias por ano.

Então, vamos resgatar eles? <3

Beijos,

Wellington

20
out

Meu novo inimigo velho

low-carb

Você vai levando a vida naquele tranquinho, devagar e sempre, querendo que o mundo acabe em barranco. E aí, do nada, as coisas mudam de ritmo. Nas últimas semanas, entrei no já popular mundo da alimentação low carb, em que as pessoas comem abacate com ovo com estranha desenvoltura.

Passei anos contando calorias – ou fazendo de conta que elas não existiam enquanto ganhava área física em muitos metros cúbicos. Agora persigo carboidratos com sangue nos olhos.

Coitados!

Num exercício de extrema sinceridade com meus botões devo reconhecer que o verdadeiro inimigo é meu olho grande, sempre atento à comida, sempre enviesado para o prato alheio, atualizado em sabores e quantidades.

Neste mês estou chegando à idade em que meu pai se foi, acometido por um enfarte fulminante. Muito jovem, muito lindo, muito por viver…Fiquem aí curiosos, que não vou cometer a indelicadeza de informar a idade do meu pai…

Só falo nisso para explicar por que ando pensando tanto em saúde e me esforçando para evitar os carbos, como quem foge daquela cunhada magra, alta e loira que sempre parece recém saída do banho.

Beijos,

Marisa

10
out

Projeto verão e o universo low carb

farinhas-alternativas

Nós da Talk resolvemos adotar hábitos mais saudáveis e emagrecer juntos. Como passamos a maior parte do nosso dia no escritório e, com muita frequência, compartilhávamos bolachinhas, chocolates, pães de queijo, coxinhas da Dois Corações e até Mcflurry ao longo do expediente, precisávamos de uma atitude coletiva em prol da nossa saúde. Começamos por excluir as guloseimas do cardápio e comprar uma fruteira coletiva para a Talk.

O segundo passo foi chamar a minha irmã Andréia, que é nutricionista e coach de emagrecimento. Criamos um grupo, planejamos e traçamos metas. Nos reunimos com ela uma vez por semana. Nesses encontros aprendemos cada vez mais, educamos nosso cérebro e dividimos nossas conquistas. Está dando muito certo. Eu, Marisa e Wellington, juntos, já perdemos 16,5 kg. O Rodrigo e o Eduardo são magros, mas agora também estão mais saudáveis.

Passamos a frequentar lojas de produtos naturais e a incluir no cardápio sementes, chás e farinhas que sequer conhecíamos. Aliás, estou espantada com o universo de farinhas com baixo carboidrato (as chamadas low carb) disponível no mercado. Aprendi que tudo pode virar farinha. Estou me divertindo na cozinha experimentando receitas que levam farinha de amêndoas, de linhaça, de aveia, de coco e até de uva. Aprendi a fazer pão caseiro e descobri que pode ser bem gostoso, mesmo não parecendo, nem de longe, com o pão tradicional de farinha de trigo. Estou aprendendo a gostar de novos sabores e, sem sofrimento, estou desapegando do pão francês e de outras gordices que eu considerava imprescindíveis.

Ando mais disposta, mais feliz e cada vez mais determinada e próxima do meu objetivo. Mas o mais legal é que percebo que estamos contagiando as pessoas a nossa volta. Lá em casa todos estão comendo mais saladas, frutas e arroz integral.

Também estou orgulhosa do time Talk que, mais uma vez, comprova que juntos somos mais fortes! Projeto verão, vamos que vamos!

Bjs,

Aline Cambuy

29
set

Geminiano

depositphotos_15717291-stock-illustration-gemini-symbol

Minha esposa é canceriana e engenheira. Eu sou jornalista e geminiano. Isso não quer dizer nada. Ou pode dizer tudo. Completamo-nos e contribuímos para o crescimento um do outro. Mas, e há sempre um mas, em alguns momentos ela deve me olhar durante a noite e se perguntar: o que passa nessa cabecinha?

Calma. Vou explicar. Antes quero falar sobre o meu signo para buscar a absolvição dos meus atos.

Quem conhece um pouco de astrologia deve saber o perfil básico de um geminiano. Para quem não sabe aqui vai o resumo de um ser nascido entre 21 de maio e 21 de junho.

Se tem algo que o signo de gêmeos presenteia os seus nativos é a característica de mutação. É como se diariamente resolvessem mudar as regras e os costumes. Hoje acordei e resolvi que vou mudar minhas vestimentas. Acho que hoje irei experimentar um penteado, um corte de cabelo novo. Mesmo que tenha cortado apenas dois dedos de ponta seca e ferrada. Mas você mudou. Você mudou sua dieta, você mudou o seu comportamento na escola, no trabalho, no seu prédio. Mesmo que tenha durado só três dias.

Ok. Agora podemos prosseguir sem que as minhas atitudes sejam avaliadas precipitadamente.

Outro dia a minha esposa quis comprar chuchu e esse ser disse que odiava chuchu. Ontem, depois de experimentar um mix de legumes na manteiga simplesmente maravilhoso, quem decidiu que queria comprar chuchu no final de semana? Euzinho.

Outra vez eu comentei que gostava de um estilo mais clean e moderno para o quarto. E ela ama algo mais romântico e florido.  Eis que passo em frente a uma loja e comento que a montagem da vitrine me agradou. Tomei uma fuzilada como poucas.

Mas quero dizer que há duas explicações e uma boa notícia.

A primeira explicação é óbvia. A culpa é do signo. A segunda é que tudo depende do contexto e da situação. Um geminiano leva em conta muitos outros fatores e não apenas um isolado para amar ou deixar de gostar de algo.

A boa notícia é que é possível tornar essas mutações menos frequentes e rompantes. Encontre alguém que, lógico, você ama e ame você, e que possa trazer esse equilíbrio. Ah, e seja capaz de ter paciência para que o cérebro seja parcialmente reprogramado. Sim, apenas parcialmente.

Um geminiano será sempre um geminiano. Mesmo que em part-time. E não considero isso um defeito. Se bem usado, será uma baita qualidade. A mutação significa ter a capacidade de se adaptar nas situações mais complicadas ou quando pressionados em qualquer momento da vida. Somos assim. E somos felizes. Ou tristes. Quem sabe alegres. Cinzas. Ou coloridos. Somos tudo. Ou nada.

Somos muitos em um só. =)

(Uma carta de muito obrigado para a Tutti) <3

22
set

Sentar e conversar

conversarEssa semana eu estava indo para a casa, seguindo meu caminho maroto de sempre, quando recebi a ligação de uma amiga. Ela precisava conversar. Assim, sem planejamento, sem hora marcada, sem cerimônia ou preocupação com o que tinha na geladeira para oferecer para a visita. E assim ela foi lá em casa.

Ficamos sentados na varanda, bebericando e conversando. Falamos da vida, do que tem acontecido, das nossas conquistas, das nossas frustrações, tudo embasado por uma psicologia de araque, mas que funciona muito bem.

Fiquei pensando em como o nosso dia a dia nos engole e nos deixa cansados demais para fazer essas coisas que alimentam nosso coraçãozinho atribulado. Quantas pessoas a gente deixa de ver porque se preocupa demais com o tempo. Quanto tempo perdemos por achar que não há tempo para trivialidades? Ás vezes por causa de uma simples visita você reavalia todo seu modo de viver. Que coisa boa.

Beijos

Rodrigo

18
set

Fim de namoro

uber

Durou pouco. Foto: Divulgação.

Que namoro bem curto esse da Uber com os usuários, hein? Alguém guardou os bilhetinhos apaixonados, as rosas entre folhas de um livro, o papel do Sonho de Valsa? Nem deu tempo de a gente se sentir amada e paparicada. As balas, copos de água e revistas desapareceram dos carros com a velocidade de um namorico que se desfaz. A boa educação, então, nem se fala…

Não era amor verdadeiro, creio eu. Desses de palpitar o coração na garganta e correr um arrepio pelas costas. Ok, nem era pra ser assim, tão intenso e adolescente. Mas parecia que ia durar mais do que um carnaval, né não?

E agora cá estamos. Sem nenhuma garantia de que o carro que vai chegar será pelo menos limpinho e cheiroso. Ou inodoro, já tava bom. Outro dia, Rodrigo (de Lorenzi, meu estimado colega de Talk) e eu embarcamos em um que parecia ter transportado três cachorros molhados dentro de uma caixa de gorgonzola.

Nem vamos falar de motoristas inconvenientes e, pior ainda, abusadores. Esses são raridade, ainda bem.

Não usei ainda a Cabify e o 99 Pop. E faz tempo que não ando de táxi. Por isso, e contra as boas regras do jornalismo, que mandam ouvir todo mundo antes de sair atirando, posso estar sendo injusta. Talvez não seja a Uber monopolista do mau serviço. Pode ser que estejam todos – aplicativos e táxis – em igual situação de desprezo ao cliente. Ou eu dei um bruta azar nas últimas dez viagens.

Ainda bem que ajeitei minha vida para morar e trabalhar a uma distância que pode ser cumprida a pé. E só preciso do transporte de vez em quando. Mas estou disponível para apoiar algum protesto de usuários hard. Só chamar, galera!

Beijos

4
set

A estação das flores

ipe

Até que enfim o mês de agosto terminou. Vai ano, vem ano, e agosto parece sempre interminável. Um texto da Superinteressante conta que herdamos a tradição dos nossos colonizadores portugueses. No século 16, época das grandes navegações, era nesse mês que as caravelas iam ao mar. Assim, as namoradas dos navegadores nunca casavam em agosto já que, além de não poder desfrutar da lua-de-mel, poderiam passar rapidamente da condição de recém-casadas para a de viúvas. Segundo o escritor Mário Souto Maior, a tradição se consagrou com a frase “casar em agosto traz desgosto”, que foi resumida para nossa conhecida “agosto, mês do desgosto”.

E foi no mês de agosto que o mundo viu o início da Primeira Guerra Mundial, a destruição de Hiroshima por uma bomba atômica, o início da construção do Muro de Berlim, o suicídio de Getulio Vargas, a renúncia de e a morte de Marilyn Monroe.

Os romanos, no século 1, acreditavam que um dragão passeava pelo céu noturno em agosto (mês, aliás, batizado por eles em homenagem ao imperador Augusto). O monstro nada mais era do que a constelação de Leão, mais visível nessa época do ano.

Outra interpretação é que durante o mês de agosto a concentração de cadelas no cio aumenta bastante devido às condições climáticas. E quando as cadelas estão no período fértil, os cachorros ficam “loucos” e brigam para conquistar a fêmea.

Mas o que importa mesmo é que mais um mês de agosto chegou ao fim e que o inverno está de saída. Seja bem-vindo setembro! E que venha logo a primavera, a estação mais florida e colorida do ano.

Beijos,

Aline Cambuy

29
ago

Gratidão

power-of-gratitude-

Observando as pessoas em restaurantes, nas estações tubos, durante os trajetos de ônibus, conversas no Uber e Cabify, roda de conhecidos e amigos, família e a mim cheguei a conclusão da dificuldade que temos para exercitar a gratidão.

Ser grato não significa aceitar tudo da maneira como é posto. Gratidão é saber olhar para o que temos e ao nosso redor. Ser grato é saber valorizar e enxergar a realidade do próximo. Gratidão não significa abdicar da ambição. Ambas podem – e devem – caminhar juntas.

É possível sermos gratos pela nossa profissão, por termos um teto, condições de nos alimentarmos, um armário com roupas que às vezes ficamos mais de um ano sem usar, por termos acesso a saúde, um transporte público que funcione ou condições de usar uma alternativa como Uber e Cabify. Enfim, valorizarmos o fato de integrarmos o seleto grupo de 1% da população mais rica do planeta. Acredite, se você está lendo esse texto, você faz parte desse grupo. Às vezes vivemos com muito mais do que precisamos e desejamos muito mais do que merecemos.

E é aí que entra a ambição. Mas aquela positiva…

Uma das coisas que move o ser humano é a ambição. Mas ela pode ser a vontade de ser alguém melhor, de ajudar a mudar o mundo a nossa volta, de contribuir para tornar a vida de quem está ao nosso lado mais digna, de sermos capazes de valorizarmos mais as nossas conquistas e as vitórias de cada um, de superarmos os nossos desafios.

A ideia aqui não é repetir um livro de autoajuda ou parecer hipócrita. Espero que não seja levada para esse lado. A minha reflexão se aprofundou quando ouvi a seguinte frase:

“O humilde é grato por ter menos que merece e mais do que quer. O soberbo tem mais do que precisa e almeja mais do que merece”.

E fez a ficha cair com esta matéria da Revista Galileu que fala sobre consumismo. Vou separar três trechos que conectaram tudo o que venho refletindo há algum tempo.

“De acordo com o Banco Mundial, os mais ricos, 20% da população global, abocanham 76,6% dos produtos. Já a classe média, 60%, consome 20% de tudo o que é produzido. O resto fica na (ínfima) conta dos mais pobres”

“A cada ano, a humanidade precisa de 1,7 planeta para se recuperar do uso excessivo de seus recursos naturais e da poluição causada por ela mesma, como revelam os cálculos da Global Footprint Network, responsável por avaliar os impactos ambientais gerados por alguns países”

“795 milhões de pessoas no planeta que ainda passam fome não sabem o que é viver com abundância de recursos e, claro, não têm a menor chance de acumular nada, nem comida. Enquanto isso, a parcela endinheirada da população continua a reproduzir nosso instinto primitivo e consome quase todas as coisas produzidas no mundo”

O caminho para aprendermos a sermos gratos, humildes e ambiciosos na medida certa exige paciência, persistência, prática do autoconhecimento e reflexão. Tive a sorte de encontrar alguém que me ajuda muito nessa trajetória que é a minha esposa. Espero poder passar isso adiante e plantar essa semente para um futuro mais humano.

Eu já comecei a minha caminhada e você?

Beijos,

Wellington