27
abr

O.J. Simpson e eu

oj-simpson-trial-1-600x450

Eu já havia ficado obcecado com a série American Crime Story: The People vs. O.J. Simpson. Para quem não conhece (por favor!), o seriado conta a história de um dos julgamentos mais famosos do mundo. O jogador de futebol O.J. Simpson (uma espécie de Pelé dos EUA) foi acusado – e posteriormente inocentado – do assassinato da ex-mulher, Nicole Brown Simpson, e do garçom Ronald Goldman, em junho de 1994. Eu vi a série em poucos dias, indiquei para todo mundo e quase aplaudi de pé quando acabou (talvez tenha aplaudido, vocês nunca saberão).

Mas eu queria mais. Eu comprei o livro em que a série foi baseada. E agora eu sou um especialista no caso. Eu conheço Los Angeles como a palma da minha mão. Sei o nome de ruas. Sei um pouco sobre a legislação norte-americana. Sei sobre a cobertura midiática da época. Sei como estão todos os envolvidos no caso atualmente. Fui atrás das provas, dos depoimentos, das notícias.

Eu também fui ver o documentário ganhador do Oscar deste ano, O.J.: Made in America, que conta com ainda mais detalhes o que ocorreu. Vi os vídeos originais. Fiquei novamente revoltado. Entendi todo o contexto da época e por que transformaram a causa em uma questão racial. Me senti a própria promotoria. A história é tão surreal que é impossível desgrudar os olhos de tudo o que acontece.

Fiquei tão obcecado que eu indiquei a série para a Stphnny, minha colega aqui da Talk. Ela chegou dizendo que não conseguiu dormir até terminar. E agora pediu o livro emprestado. Eu emprestei. Sinto que estou criando moda ou um monstro.

Atualmente, o ex-jogador está preso por assalto a mão armada e sequestro. Acho que eu preciso dar um tempo na história do O.J. Entretanto, vocês sabem que ele sai da prisão esse ano, né? Ai, meu Deus.

Beijo

Rodrigo

20
abr

O maníaco das finanças

Tio-Patinhas

Sou um cara preocupado com dinheiro. Admito. Talvez por ter passado por algumas dificuldades financeiras ou por numa ter dinheiro sobrando eu levo a coisa ainda mais a sério.

Até pouco tempo eu pensava que não era algo que eu deveria me preocupar. Afinal, faço coisas bem simples e normais. Tento forçar as compras para o pagamento no débito – crédito apenas para parcelar algo que seja o mesmo valor à vista – e anoto todos os gastos diariamente. Abro o app da conta todos os dias para saber se está tudo em ordem, sigo portais sobre investimentos e leio notícias sobre o assunto todos os dias, aplico o pouco que consigo reservar assim que o salário entra na conta – quase que com a voracidade do leão retido na fonte – e atualizo ao final do mês uma planilha no Excel com gráficos de receitas, despesas e previsão para o ano.

Sou daqueles que se metem nas conversas alheias sobre finanças e investimentos, prontofalei.

Então, tudo normal, não é mesmo?

Também acho. Todos fazem isso e até mais. Não?

Comecei a me dar conta com duas frases que abalaram a minha fortaleza. “Wellington, você sempre foi assim rígido com dinheiro?” e “O Wellington não conta pois é mão de vaca”. Logo eu, aprendiz de Gustavo Cerbasi.

Admito, fiquei bem abalado. Vou ali ler um artigo sobre tesouro direito para acalmar o coração. O maníaco das finanças.

Beijo

Wellington

13
abr

A tal da intimidade

produtos-vencidos-453x420

Trabalhei durante 15 anos no mesmo lugar. Por mais que o turn over me trouxesse gente nova para o convívio, havia um grupo de colegas por ali criando limo há tanto ou mais tempo do que eu.

O tempo traz uma certa intimidade e a gente fica sabendo coisas uns dos outros que meudeosdocéu!

O fato é que com o tempo revelam-se os apelidos da infância, desvendam-se as manias e fobias, os gostos por comida, a avareza na mesa do bar…

Até os parentes que nunca vamos conhecer vez por outra aparecem nas conversas como velhos camaradas, protagonistas de cenas familiares passadas que nos ajudam a entender o colega no presente.

Sinto falta daquela turminha e de suas vidas nada secretas. Das piadas internas – “todos me chamam de bosta!” – que só nós entendemos. Da naturalidade com que certos mal estares físicos, países altos ou baixos, eram apresentados na reunião de planejamento.

Um ano depois de “firma nova”, aqui estou, percebendo um novo fio de intimidade se desenrolando. E não adianta querer saber apenas dos dotes profissionais do colega.

Mais cedo ou mais tarde, a gente começa a entender o olhar, a decifrar o silêncio, as reservas vão descendo a ladeira, as resistências vão desmoronando, e lá vamos nós para a estranha descoberta do outro.

E isso tudo é muito divertido e reconfortante. É o que confere o necessário grau de calor humano a qualquer relacionamento, inclusive no ambiente de trabalho.

Escrevi tudo isso porque meus novos colegas acabam de descobrir que não rejeito alimentos com data de validade vencida, se não houver outros indicativos de que são impróprios para consumo.

Eles que se acostumem. Vem coisa muito pior por aí!

Feliz Páscoa, pessoal!

Marisa

7
abr

Dia 7 de abril, Dia do Jornalista

Dia-do-JornalistaCresci sonhando em ser jornalista. Claro que, como toda criança, em algum momento pensei em ser aeromoça ou até paquita, mas a vontade de ser jornalista foi a que perdurou na adolescência. Hoje sou uma profissional realizada. Tenho certeza de que fiz a escolha certa e sou feliz com o meu trabalho todos os dias.

O jornalismo me proporciona muitas realizações e aprendizados. Circulo por setores bastante distintos e aprendo mais um pouquinho com cada um deles. Um dia meu irmão caçula me perguntou: “Você entende mesmo sobre tudo que escreve?”. Ele me contou que colocou meu nome no Google e encontrou matérias sobre gastronomia, saúde, transporte, gestão de pessoas, arte, moda, cultura, etc. Dei muita risada com a dúvida dele, mas em seguida expliquei que não sei um pouco sobre tudo, mas que o desafio está em buscar respostas e informações para tentar entender e depois escrever em uma linguagem em que o leitor entenda também. E isso é muito instigante.

Outra alegria como comunicadora é o relacionamento com as pessoas. Sou apaixonada por isso. Adoro conhecer gente e ouvir boas histórias. Aliás, são as boas histórias que costumam render as melhores matérias.

Neste dia 7 de abril, parabenizo a todos os colegas jornalistas.

Beijos,

Aline Cambuy

30
mar

Eu tenho uma tia confeiteira

MG_1041-6

Eu venho de uma família muito doce. Minha avó fazia aqueles bolos artísticos e gigantescos que enfeitam casamentos pomposos. Meus aniversários eram sempre temáticos e viviam cheios de amiguinhos da escola – hoje suspeito que eles compareciam menos por causa de mim e mais por causa das guloseimas, mas divago.

Minha tia Dorotéia, filha da minha avó, herdou o talento e trabalha com confeitaria. Desde pequeno eu a vejo cozinhar. Quando passei a morar com ela, há 12 anos, convivi com chocolates no mármore, bolos de todos os sabores, docinhos, salgadinhos e tudo o mais que vocês possam invejar.

Ter uma tia confeiteira é realmente bacana, mas engana-se quem pensa que eu chegava em casa e me deparava com a fantástica fábrica de chocolates ou era herdeiro do Willy Wonka. Muito sábia, tia Dorotéia faz os quitutes contadinhos sob encomenda. Até sobram alguns uns brigadeirinhos, mas nada para se lambuzar tanto. É uma ilusão.

Mas é engraçado ver a reação das pessoas. “Como você não engorda? Você deve comer isso todo dia! Uau, que sorte. Que delícia.”

Os docinhos da festa de 10 anos da Talk foram feitos pelas mãos da Dorotéia e foram um sucesso, mas lá em casa não sobrou muita coisa, não.

Aqui na Talk nós devoramos os docinhos remanescentes. A Marisa ficou obcecada pelo espelhado de damasco. A Aline ficou fascinada pela trufa. O Wellingtou gostou mais do coco queimado. A Stphnny adorou o camafeu. E eu fiquei todo orgulhoso da titia.

Ah, e não passem vontade. Se quiserem encomendas e amostras, o telefone da Dorotéia é (41) 99920-5411. As encomendas de Páscoa já estão aí.

Beijos

Rodrigo

23
mar

Solidão tecnológica

blog-weli

Amo ler sobre novas tecnologias, redes sociais, vida digital e tudo que envolve o virtual. Quem me conhece pode confirmar. Quem sabe será capaz de me rotular como um chato por sempre saltar com uma opinião quando o assunto é abordado. Mas aí digo que sou jornalista e tudo se explica quase que instantaneamente. Ouso dizer que algumas vezes ouço até um ah tá.

Mas hoje jogarei contra. Não para derrubar a tecnologia. Essa não tem culpa. Nós somos os culpados. Seres humanos incapazes – na maioria das vezes – de encontrar o equilíbrio para as coisas da vida. E não, não é apenas a geração Y ou Z. A X e todas as outras também estão no mesmo bolo.

Sinto que vivo em um mundo high tech zumbi. Olho ao meu redor e vejo pessoas caminhando nas ruas mergulhadas nas telas dos smartphones. Mesas de bares e restaurantes com amigos conectados na fofoca mais quente ou no vídeo que recebeu no WhatsApp. Até nas famílias o papo parece ter ficado para o virtual.

Há momento para tudo. Inclusive para consumir as informações disponíveis nas redes sociais, sites e qualquer outro espaço virtual.

Uma pesquisa recente aponta que acessamos o smartphone quase cem vezes por dia. Quatro vezes por hora. Uma vez a cada quinze minutos. Aí pergunto: precisamos de tudo isso? Falo por experiência pessoal de um ser em processo de desintoxicação.

Que tal tentarmos uma experiência?

Entrou em um ônibus? Não caia na tentação de pegar o celular e observe a sua volta. Muita gente alheia ao que acontece no mundo ao seu redor? Pois é.

Vai andar como carona em um carro? Deixe o smartphone no bolso ou na bolsa e converse. Talvez o seu amigo tenha alguma história bacana para compartilhar.

Pegou um táxi, Uber ou Cabify? Puxe assunto com o motorista. Quem sabe você vai descobrir que ele trabalhou em uma multinacional e agora dirige profissionalmente para ter mais tempo com os filhos enquanto a esposa sai para trabalhar.

Está em uma roda de bar, restaurante ou em família? Apenas deixe que o silêncio seja quebrado por um assunto qualquer.

Garanto que, na pior das hipóteses, a carga do smartphone terá durado mais que 12 horas.

Viva a vida.

Wellington

16
mar

Quando eu era jovem

2-1-1

Esses dias li uma matéria, tipo essas do BuzzFeed, que listava coisas que somente jovens com almas idosas reconhecem. Eu me identifiquei.

Sim, eu tenho apenas 28 anos, mas reconheço alguns hábitos que, dizem, já são da fase madura. Dispensar balada para ver uma série ou filme na Netflix? Eu mesmo. Tomar um vinhozinho em vez de uma tequila louca ou litros de cerveja? Me chama! Ou melhor, não me chama, tem que me avisar com antecedência, porque eu meio que gosto das coisas planejadas. Ler um livro até tarde da noite em vez das noitadas? É comigo mesmo. Ganhar um pijama e ficar muito feliz? Eu fico! Ficar viciado em programas de televisão sobre cozinha ou decoração? Já está na minha grade de programação!

Às vezes essa vida pacata me deixa um pouco entediado e aí eu volto a ser jovem, só que na metade da noite eu já estou cansado da juventude e lembro do meu livro e da minha Netflix.

Claro que tudo isso é uma bobagem. Gostos pessoais vão muito além da idade. Mas se for pra categorizar, poderíamos dizer que sou um velhinho precoce. É tão gostoso. Ou talvez eu seja meio chato.

Rodrigo

9
mar

#depertoninguéménormal

 

primary-share

Uma amiga querida vem ao face contar de suas habilidades: calcula exatamente a quantidade de passos que deverá dar na rua para que o nono passo da série caia exatamente no meio-fio ou no batente da porta. Hein?

Ela também calcula rapidamente o número de azulejos de um banheiro. Mas essa é fácil. Basta multiplicar as linhas horizontais pelas verticais.

Nos comentários, a turma começa a se esbaldar. E dê-lhe esquisitices inúteis, finalmente confessadas em alegre conluio.

Alguém controla as placas dos carros e forma palavras, outro só dorme tranquilo se o despertador marcar um minuto ímpar na hora de acordar, e há quem jamais pise nas emendas das lajotas. No estilo “melhor impossível”.

Descubro que sou bem normalzinha, desde que vista meio de longe. Datilografo mentalmente diálogos inteiros. A pessoa vai falando e eu, digitando em segredo. Posso ouvir o confortante barulho das teclinhas.

Na rua, passo por baixo de todas as escadas, desafiando a superstição do azar iminente. Quando criança, corria de costas da minha casa até a casa da vó, só porque seu Pitoca ficava horrorizado no portão, gritando que isso não prestava.

E, já contei isso em algum lugar, sempre olho embaixo da cama no Natal e na Páscoa, para ver se alguém deixou um presentinho por ali.

No auge de uma noite muito louca na redação da Gazeta do Povo, o telefone tocou, peguei a calculadora e disse alô – sabendo que era a calculadora.

Carrego milhares de culpas, mas essas pequenas loucuras não me constrangem, só me divertem.

Marisa

2
mar

10 anos de Talk

talk-10anos-facebook

A Talk Assessoria de Comunicação está aniversariando no dia 5 de março. São 10 anos de atuação e mais de 80 empresas atendidas. O sucesso dessa trajetória está diretamente ligado aos princípios que norteiam os valores da empresa desde o início. Ética, profissionalismo, criatividade, estratégia, organização e atendimento personalizado são alguns deles.

Nesses 10 anos, a Talk conquistou o mercado. Mais do que isso, conquistou e encantou clientes. Ganhou a confiança da imprensa. Gerou conteúdo relevante para muitas empresas. Foi notícia.

Nossa missão é continuar esse trabalho que foi iniciado pela jornalista Karin Villatore. E é com muito carinho e profissionalismo que estamos trabalhando para que os próximos 10 anos sejam igualmente incríveis.

Beijos,

Aline Cambuy e Marisa Valério

23
fev

Recomeçar é viver

Landmark-Forum-New-Life

Acredito que uma das nossas missões nesta vida seja apreender a recomeçar. Eu amo aprender e ter a oportunidade de reaprender me encanta. Vejo como a oportunidade de nos reinventarmos. O exercício de nos conhecermos e nos reconhecermos.

Recomeçar nem sempre é fácil. Às vezes precisamos sair da nossa zona de conforto e procurar novos ares. Mudar de cidade, estado ou país. Em alguns momentos a continuidade da nossa estrada está centenas ou milhares de quilômetros distantes do ponto atual.

O recomeço pode ser encontrar novos significados para ideias e pensamentos. Repensar um momento da vida. Ou vários momentos. Rebobinar a fita para reconhecer novos caminhos. Avançar o filme para iniciar o novo e o desconhecido.

Faço questão de falar para o mundo que a minha felicidade hoje passa exatamente por dar adeus aos velhos hábitos e ideias. Deixar o novo entrar. Abraçar o desconhecido. Reconhecer as limitações.

Mas e você, que tal aproveitar o agora para dar adeus às velhas amarras e ideias que lhe prendem ou, pelo menos, tornam a caminhada muito mais pesada e cansativa? Amar sem julgar. Ouvir sem falar. Ser humano e se entregar. Viver sem pré-conceitos ou preconceitos. Faça isso. O mundo fica mais delicioso assim, confie em mim.

Wellington Johann